André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

João Paulo pede autorização à Justiça para trabalhar na Câmara

Preso no Complexo da Papuda desde terça-feira, deputado condenado no processo do mensalão por corrupção ativa, lavagem de dinheiro e peculato pretende continuar exercendo o mandato

Mariângela Gallucci , O Estado de S. Paulo

06 de fevereiro de 2014 | 19h55

Brasília - Preso desde terça-feira, 4, na Penitenciária da Papuda, em Brasília, o deputado federal João Paulo Cunha (PT-SP) pediu autorização da Vara de Execuções Penais para sair da cadeia durante o dia para ir à Câmara e estudar.

Num despacho assinado na quarta-feira, o juiz Bruno André Silva Ribeiro determinou a juntada do pedido de trabalho externo e estudo ao processo de execução. Em seguida, o requerimento deverá ser comunicado ao Ministério Público para que apresente uma manifestação.

João Paulo foi condenado a 6 anos e 4 meses por corrupção ativa e peculato e inicia o cumprimento da pena em regime semiaberto. O deputado também foi condenado a 3 anos por lavagem de dinheiro, mas recorreu.

O embargo infringente referente à condenação por lavagem ainda não foi apreciado pelo plenário do Supremo. Caso a condenação seja mantida, a pena total aplicada ao deputado será de 9 anos e 4 meses e ele passará para o regime fechado.

No regime semiaberto, João Paulo pretende continuar a exercer o mandato de deputado. Ao contrário de colegas de Câmara que também foram condenados no mesmo processo, como o ex-deputado José Genoino, João Paulo não renunciou ao mandato.

Uma decisão desse tipo por um parlamentar não é inédita. O deputado federal Natan Donadon está preso desde o ano passado na Papuda cumprindo pena de mais de 13 anos de cadeia no regime fechado. Mesmo com a prisão, ele continua com o mandato. Na próxima semana, a Câmara deverá analisar pedido de cassação do mandato de Donadon.

Os presos no regime semiaberto podem pedir autorização da Justiça para sair da cadeia durante o dia para trabalhar ou estudar. Parte dos condenados no processo do mensalão, como o ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares, já começaram a trabalhar. O ex-ministro da Casa Civil José Dirceu tenta conseguir liberação para dar expediente num escritório de advocacia em Brasília.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.