João Paulo e mais 11 são acusados de improbidade

O Ministério Público Federal em Brasília ajuizou ação por improbidade administrativa contra o deputado João Paulo Cunha (PT-SP), sua secretária Silvana Paz e mais 11 pessoas acusadas no escândalo do mensalão. Na ação, João Paulo é acusado de receber vantagens para favorecer a agência de publicidade SMPB, do empresário Marcos Valério, quando foi presidente da Câmara, de 2003 a 2005. O contrato com a agência foi de R$ 9,9 milhões, aditado depois em R$ 10,9 milhões.De acordo com a ação do Ministério Público, João Paulo teria recebido R$ 50 mil, de uma conta do Banco Rural, para garantir que o contrato ficaria com a SMPB. Silvana Paz, a única acusada que não está na lista dos 40 réus do processo do mensalão no Supremo Tribunal Federal (STF), teria recebido de Marcos Valério passagens para levar a filha ao Rio de Janeiro, com hospedagem paga.Na ação, os promotores pedem à Justiça que obrigue os acusados a devolverem aos cofres públicos o dinheiro recebido irregularmente. Pedem ainda que os acusados paguem multas. Por fim, solicitam ao Judiciário que decrete a suspensão dos direitos políticos de todos os acusados por no mínimo 8 anos. Se condenado, João Paulo não poderá concorrer a cargos públicos pelo período em que estiver com os direitos políticos suspensos. Pode, ainda, ficar proibido de receber benefícios ou incentivos fiscais.RESPOSTAJoão Paulo informou, por intermédio de sua assessoria, que essa ação não muda sua situação e, para ele, não é novidade. Disse ainda que vai aguardar o momento de apresentar a defesa "com muita serenidade". Também são alvos da ação os sócios de Marcos Valério Ramon Hollerbach Cardoso, Cristiano de Mello Paz e Rogério Lanza Tolentino, as funcionárias da SMPB Simone Reis Lobo de Vasconcelos e Geiza Dias dos Santos, e os dirigentes do Banco Rural Kátia Rabello, José Roberto Salgado, Vinícius Samarane e Ayanna Tenório Torres de Jesus. Todos estão sendo processados no Supremo por envolvimento no escândalo do mensalão e têm negado, reiteradamente, qualquer irregularidade. COLABOROU DENISE MADUEÑO

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.