João Paulo e Alckmin concordam com diagnóstico de Dirceu

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), e o presidente da Câmara, João Paulo Cunha, concordaram hoje com o diagnóstico crítico que o ministro-chefe da Casa Civil, José Dirceu, fez na sexta-feira passada, na capital, a respeito das altas taxas de juros praticadas no Brasil. "Estão fazendo uma tempestade num copo d´água com o fato de o ministro reconhecer as dificuldades econômicas do País", disse João Paulo. E completou: "Mas ele está correto e poderia dizer isso publicamente. Além disso, o fato dele reconhecer as dificuldades econômicas não tem nenhuma implicação na condução do País.""Ele (Dirceu) falou com autoridade e mostrou que o País vai buscar os meios para superar as dificuldades e criar condições para baixar os juros. Diferente de pessoas que agem como relógios parados e ficam dizendo a todo momento ?têm de baixar os juros?, ?têm de baixar os juros?. É claro que isso um dia vai acabar ocorrendo." João Paulo só não quis entrar em detalhe sobre quem seriam os tais relógios parados.Ao comentar o fato, o governador Geraldo Alckmin disse que a opinião de Dirceu é uma constatação geral, na medida em que as altas de juros enfraquecem a atividade econômica. "Esperamos que essa situação seja passageira e que na próxima reunião do Copom possa haver queda nessas taxas."O governador de São Paulo acredita que as condições macroeconômicas do País são boas para que se possa reduzir os juros imediatamente. Alckmin fez, ainda, o seguinte alerta ao governo do presidente Lula: "O que nos preocupa é que se houver uma forte retração da atividade econômica, apenas a política monetária e a de juros não serão suficientes para retomar o crescimento da economia."Apesar do alerta, Alckmin disse que tem confiança de que, a curtíssimo prazo, os juros possam ser reduzidos para permitir a geração de renda e de trabalho. Para que isso seja feito, ele destacou também a aprovação das reformas previdenciária e tributária. Nesta quarta-feira os oito governadores tucanos estarão reunidos em Brasília com as bancadas federais para destacar a importância da aprovação dessas reformas em curto prazo. "Vou levar nesta reunião a posição de que é necessário trabalhar em prol dessas reformas, que irão contribuir para a retomada do desenvolvimento do País."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.