João Paulo desmente as fotos: "O Congresso trabalhou tranquilo"

O presidente da Câmara, João Paulo Cunha, chorou em discurso de lançamento da Frente Parlamentar em Defesa da Igualdade Racial, no salão nobre da Câmara, por causa das manchetes dos jornais de hoje sobre a ocupação da Câmara pela Polícia Militar. "Estou triste hoje, porque já se disse uma vez: na guerra, a primeira morte é da verdade. Eu estou concluindo que, na guerra da informação, a primeira morte também é da verdade. As pessoas informam mal. Não consideram nenhuma informação da parte, o princípio básico do jornalismo. Você fica impotente. Aí você vê as manchetes dos jornais: Polícia Militar ocupa o Congresso Nacional. Como? O Congresso Nacional trabalhou tranqüilo ontem. É como se a polícia tivesse entrado no Plenário. Não há outra palavra para dizer, que não seja tristeza", afirmou João Paulo. Ele lembrou que foi mal-interpretado ao afirmar, no passado, que o PT lutou contra as reformas porque queria chegar ao poder. A partir daí, com voz embargada, o presidente da Câmara chorou afirmando que ele se impotente diante dessa situação. Na saída da cerimônia, João Paulo disse que ficou constrangido com as manchetes de hoje dos jornais. "Estou triste e só", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.