Divulgação
Divulgação

João Doria se apresenta como pré-candidato do PSDB a Prefeitura

Empresário e apresentador diz que Geraldo Alckmin e Fernando Henrique Cardoso estão estimulando a renovação do partido

Pedro Venceslau, O Estado de S.Paulo

29 de julho de 2015 | 19h20

Atualizado às 00h14

São Paulo - Um dia após o jornalista e apresentador José Luiz Datena, da Band, confirmar que vai disputar a Prefeitura de São Paulo em 2016 pelo PP, ontem foi a vez do empresário João Doria Jr, que comanda um programa de entrevistas na mesma emissora, oficializar sua intenção de ser o candidato tucano na disputa municipal. 

Filiado ao PSDB, Doria afirmou que está disposto a enfrentar uma disputa prévia caso outros tucanos se coloquem no páreo. “Vou disputar o que for preciso para ser o candidato em 2016. Duas grandes lideranças do partido, o governador Geraldo Alckmin e o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, estão estimulando a renovação. Isso será importante para o partido crescer e sair do binômio Alckmin e Serra na capital”, disse Doria ao Estado. 

Presidente do Grupo de Líderes Empresariais (Lide), ele disse que montou um grupo de trabalho com 27 pessoas que serão responsáveis pela gestão e formação de sua pré-campanha municipal. 

Os nomes serão anunciados em agosto, mas entre os membros do “Comitê de Gestão” do Lide estão ex-ministros de Luiz Inácio Lula da Silva – Roberto Rodrigues (Agricultura) e Luiz Fernando Furlan (Desenvolvimento) – e FHC – Celso Lafer (Relações Exteriores) – e empresários como Wesley Batista (JBS) e Edson Godoy Bueno (Amil). 

Questionado sobre um eventual prejuízo financeiro para seus negócios caso entre de fato na disputa, o empresário garante que isso não será problema. “Eu posso fazer essa sacrifício”, afirmou. O empresário classificou como “curioso” o fato da disputa em São Paulo em 2016 ter atraído nomes da TV. “Se as candidaturas se confirmarem, pela primeira vez teremos três comunicadores na disputa, o que é saudável”, disse. 

Além de Doria e Datena, o deputado Celso Russomanno, que foi anunciado provável candidato pelo PRB, possui programa – é contratado da TV Record. 

Doria disse que vai começar na semana que vem a apresentar de Brasília um quadro diário que será exibido no programa Cidade Alerta, que detém a maior audiência da emissora, e outro no Hoje em Dia. 

Disputa interna. A exemplo do que ocorreu em 2012, o PSDB paulistano está dividido na busca de um candidato a prefeito. Além de Doria, até o momento apenas o vereador Andrea Matarazzo se apresentou como pré-candidato do PSDB, mas outros nomes são gestados nos bastidores da sigla e devem ser testados até o início do próximo ano. 

“Fiquei um pouco surpreso com a notícia (da disposição de Dória), mas isso não será um problema”, afirmou Matarazzo. Como os senadores José Serra e Aloysio Nunes sinalizaram claramente para o Palácio dos Bandeirantes que não pretendem entrar na disputa, o governador passou a procurar outras opções internas. Entre os cotados estão o secretário de Desenvolvimento, Floriano Pesaro, e o presidente da Assembleia, Fernando Capez. O apoio do governador será determinante na escolha do candidato do PSDB à sucessão de Fernando Haddad. 

A ausência de um nome de consenso no PSDB também se reflete no Diretório Municipal do partido. O impasse ocorre entre os grupos do vereador Mario Covas Neto, que foi eleito presidente em maio e é próximo de Matarazzo, e do ex-deputado José Aníbal. O grupo contrário à movimentação de Matarazzo não reconheceu a legitimidade da nova Executiva montada pelo atual presidente .


Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.