Dida Sampaio/Estadão - 20/9/2021
Dida Sampaio/Estadão - 20/9/2021

João Doria ignora crise no PSDB e critica Braga Netto no Twitter

Sem comentar sua saída da corrida presidencial, João Doria criticou nas redes sociais a afirmação do Ministro da Defesa de que o golpe de 1964 teria fortalecido a democracia

Redação, O Estado de S.Paulo

31 de março de 2022 | 10h29

O governador João Doria foi às redes sociais na manhã desta quinta-feira, 31, mas não comentou o assunto do dia envolvendo seu nome - sua desistência da corrida presidencial. Em vez disso, falou sobre a carta que o Ministério da Defesa, chefiado por Walter Braga Netto, publicou ontem à noite para celebrar o aniversário do golpe militar. 

No documento, Braga Netto qualifica o regime como um “marco histórico da evolução política brasileira” e diz que o golpe agiu para “restabelecer a ordem e impedir que um regime totalitário fosse implantado no Brasil”, ainda que não haja nenhuma evidência histórica para tal afirmação. 

“Inacreditável a afirmação do Ministro da Defesa que o Golpe de 64 fortaleceu a democracia. Esse foi o período mais sombrio e antidemocrático da nossa história! Pessoas foram presas, torturadas e mortas. A imprensa censurada e a liberdade cerceada. Inaceitável!”, escreveu o tucano. 

Doria e Braga Netto dividem a lista de assuntos mais comentados do Twitter nesta quinta-feira. Após as declarações do ministro, usuários retomaram trechos do discurso de Ulysses Guimarães quando da promulgação da Constituição. A expressão “ódio e nojo pela ditadura” foi uma das mais repetidas na plataforma durante a madrugada. 

Já Doria aparece nos trending topics por ter desistido da corrida presidencial. O tucano deve anunciar hoje à tarde, às 16h, que irá permanecer no governo de São Paulo. Até o momento, ele não se pronunciou sobre o assunto. A desistência acentua a crise interna que o PSDB enfrenta desde a realização das prévias, no passado.

Tudo o que sabemos sobre:
João DoriaWalter Braga Netto

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.