Jipes de Abadía são disputados em leilão regado a uísque e vinho

Ao contrário da confusão da vésperano bazar de objetos apreendidos do traficante Juan CarlosRamírez Abadía, apenas cerca de 300 pessoas participaram doleilão de itens mais caros que aconteceu na noite destaquarta-feira. Canapés, vinhos e uísques foram servidos aos convidados doevento, entre colecionadores e investidores, além de outraspoucas pessoas que conseguiram entrar após retirar senhas naentrada do Jockey Club de São Paulo. Na terça-feira, no bazar de roupas, sapatos, móveis,aparelhos eletrônicos e utensílios domésticos, milhares depessoas tentaram entrar no Jockey, eliminando em um único dia85 por cento dos objetos. Diante do tumulto nos portões do jóquei, a polícia chegou ausar gás pimenta para dispersar a multidão e empurrou algumaspessoas no chão, Na noite de quarta-feira, o clima era outro, com garçonsdistribuindo bebidas à vontade. A venda aconteceu no lugar ondeo jóquei realiza seus leilões de cavalos e contou com ampla desegurança de homens armados. Até às 22h, apenas 18 dos 87 lotes haviam ido a leilão,incluindo os dois jipes, uma das três bicicletas e alguns dosrelógios. O primeiro e mais disputado lote foi o jipe Willis Overlandde 1969, que levou cinco minutos para ser arrematado por 27,8mil reais. O segundo jipe, um Ford Rural, saiu por 37 milreais. "Gosto de jipes antigos, minha esposa também, achei queestava bem bonito", disse o comerciante Antonio, que comprou ojipe Willis vermelho, pedindo para não ter o sobrenomedivulgado. "O fato de ser do Abadía não diz nada. Com certeza tinhaque sair por menos", afirmou. Segundo a assessoria de imprensa do evento, o valor totaldas mercadorias era de 4 milhões de reais, embora os lotesestivessem sendo vendidos com lance mínimo de 30 por cento dovalor de mercado. Uma bicicleta importada com valor médio de 17 mil reais, deacordo com o leiloeiro, foi arrematada por 7,9 mil reais.Também faziam parte do leilão grandes televisores e um relógioavaliado em 390 mil reais. Além de 20 policiais federais armados, havia soldados daPolícia Militar e homens da Justiça Federal.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.