Jereissati diz que PMDB é dispensável

O governador do Ceará, Tasso Jereissati (PSDB), um dos tucanos cotados para a sucessão de Fernando Henrique Cardoso, defende uma "definição já" dos peemedebistas que estão com o governo e daqueles que preferem seguir o caminho da oposição. Hoje, durante a inauguração de uma fábrica de pré-moldados em Maracanaú, região metropolitana de Fortaleza, Jereissati afirmou que o PMDB é um partido dispensável à aliança governista. "Todo aquele que não tem clareza, que é dúbio, é dispensável". Para o governador, a proposta do PSDB para as eleições de 2002 deve ser "realizável". "O partido tem que mostrar claramente - acho que é essa a grande diferença que o partido vai mostrar - um programa que seja realizável. Um programa que seja coerente com que ele tem feito, com o que tem falado e com o que pode fazer e vai fazer no futuro", afirmou.Para ele, o segundo mandato do presidente teve muitos problemas externos, fora do controle. No entanto, acredita, "alguns dos objetivos mais importantes foram alcançados, principalmente, nas áreas de educação e saúde".Ele disse para o PT "prestar atenção" no que está acontecendo nos seus governos no Rio Grande do Sul e em São Paulo "para não ficar só falando". "É bom mostrar serviço", aconselhou Jereissati.Sobre a crise cambial, Jereissati disse que "é um movimento, aparentemente, inexplicável e tem muito a ver com essa situação especulativa" "Acho que estamos nas mãos dos especuladores. Precisamos ter mais defesas para isso".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.