Jefferson insinua que Alckmin e Serra receberam de Furnas

O ex-presidente do PTB e ex-deputado federal Roberto Jefferson (RJ), autor da denúncia sobre o mensalão, terminou seu depoimento na Polícia Federal e, confirmou, em entrevista coletiva, que em 2002 recebeu R$ 75 mil da estatal Furnas para um caixa 2 da sua campanha eleitoral para deputado. Perguntado sobre uma lista em poder da PF da qual constam 156 nomes de políticos do PSDB, PTB, PFL, PL e PP que teriam recebido grandes somas de recursos para caixa 2, respondeu: "Quanto a mim, a lista é verdadeira. Eu recebi, sim, do dr. Dimas, R$ 75 mil". Ele se referia ao então diretor de Furnas chamado Dimas Fabiano Toledo, investigado como suspeito de ter sido operador de um caixa dois em Furnas, formado por dinheiro de empreiteiras e prestadoras de serviço para a estatal. Toledo até agora não foi ouvido por CPIs nem pela PF e estaria desaparecido. Em seu depoimento à CPI dos Correios Jefferson reafirmou as denúncias de desvio de R$ 3 milhões da empresa Furnas Centrais Elétricas. Segundo a denúncia de Jefferson, o diretor de engenharia da empresa, Dimas Toledo, explicou a ele que o dinheiro era distribuído entre a direção nacional do PT, que ficava com R$ 1 milhão; a direção do PT em Minas Gerais, que também recebia R$ 1 milhão; um grupo de deputados, que ficavam com R$ 500 mil; e a própria diretoria, que recebia os R$ 500 mil restantes. Sobre a lista de 156 nomes em poder da PF - que inclui o candidato presidencial do PSDB em 2002, José Serra, que teria recebido R$ 7 milhões do esquema, e o atual governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), que teria recebido R$ 9,3 milhões -, Jefferson disse: "Se perguntarem ao Alckmin, ao Serra, é possível que eles neguem. Quanto a mim, a lista é verdadeira. Quando denunciei o esquema do PT, o Valério, o Delúbio, todos negaram, e eu confirmei."A autenticidade das informações constantes na lista ainda não foi confirmada pela Polícia Federal, que continua investigando o assunto. A lista, assinada por Dimas Fabiano Toledo, foi submetida a uma perícia, e a PF observou que há nela um carimbo de um cartório, e esse carimbo é considerado falso. Entre os nomes da lista constam também os dos deputados Eduardo Paes (PSDB-RJ), Francisco Dornelles (PP-RJ), Waldemar Costa Neto (PL-SP),que renunciou para não perder o mandato, Vadão Gomes (PP-SP) e Antonio Carlos Pannúnzio (PSDB-SP).Na entrevista, após o depoimento, Jefferson relatou que, no interrogatório, os policiais perguntaram porque não havia nomes de petistas na lista. Ele relatou ter respondido: "Na época (2002), o PT não era governo, e o dr. Dimas não ajudava o PT na ocasião. Então, não há nada de estranho nisso". Jefferson relatou ainda ter reafirmado à PF sua denúncia sobre o esquema do mensalão pago pelo PT, com recursos do empresários Marcos Valério Fernandes, a deputados de partidos aliados ao governo Lula. O depoimento durou cerca de quatro horas, durante as quais o ex-deputado falou também sobre os R$ 20 milhões que o PT teria se comprometido a pagar ao PTB para serem usados em campanhas eleitorais do partido em 2004 e dos quais Jefferson afirma ter recebido apenas R$ 4 milhões e distribuído a petebistas que estavam em campanha naquele ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.