Marcos de Paula/Estadão
Marcos de Paula/Estadão

Jean Wyllys dará aulas sobre fake news e discurso de ódio em Harvard

Ex-deputado do PSOL fará residência no Instituto de Pesquisa Afro-Americanos da Universidade americana, umas das mais conceituadas do mundo

Vinícius Passarelli, especial para O Estado

10 de setembro de 2019 | 15h40

O ex-deputado Jean Wyllys começará a dar aulas como professor e pesquisador residente na Universidade de Harvard, nos Estados Unidos. A residência será no Instituto de Pesquisa Afro-Americanos da Universidade e deve durar um semestre. Wyllys ministrará aulas sobre fake news e discursos de ódio contra minorias sexuais e étnicas. Segundo sua assessoria de imprensa, o ex-parlamentar já se encontra em Cambridge, cidade em que se localiza Harvard, e deve começar a residência nos próximos dias.

Na segunda-feira, 9, ele publicou em sua conta no Instagram uma foto com uma pasta e um crachá de Harvard para anunciar sua nova fase acadêmica. Formado em jornalismo, o ex-deputado possui mestrado em Letras e Linguística pela Universidade Federal da Bahia.

No início do ano, Wyllys anunciou a renúncia de seu mandato como deputado federal pelo PSOL, para o qual foi reeleito em 2018, devido a ameaças que vinha sofrendo. Segundo ele, a Polícia Federal e o Estado brasileiro vinham se omitindo em relação às ameaças. Desde 2018, ele andava escoltado por seguranças da Câmara dos Deputados.

“Esta semana (…) foi a semana em que notícias começaram a desnudar o planejamento cruel e inaceitável da brutal execução de nossa companheira e minha amiga Marielle Franco. Vejam, companheiras e companheiros, estamos falando de sicários que vivem no Rio de Janeiro, estado onde moro, que assassinaram uma companheira de lutas, e que mantém ligações estreitas com pessoas que se opõem publicamente às minhas bandeiras e até mesmo à própria existência de pessoas LGBT”, escreveu Wyllys em carta endereçada a seus colegas de PSOL para explicar sua renúncia, em janeiro.

Tudo o que sabemos sobre:
Jean WyllysHarvard

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.