Jarbas sinaliza que pode aceitar convite para voltar à CCJ

Líder do PMDB no Senado volta atrás e pede retorno do senador e de Simon, destituídos na semana passada

NERI VITOR EICH, Agencia Estado

11 Outubro 2007 | 13h28

O senador Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE) divulgou nota nesta quinta-feira, 11, na qual sinaliza aceitar o convite do líder do partido no Senado, Valdir Raupp (PMDB-RO), para voltar a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). Jarbas e o senador Pedro Simon (PMDB-RS) foram destituídos da CCJ na semana passada supostamente a mando do presidente da Casa, Renan Calheiros (PMDB-AL). Embora do mesmo partido que Renan, os dois senadores sempre defenderam sua renúncia.   Leia a íntegra da nota de Jarbas: Recebi telefonema do senador Valdir Raupp hoje (11.10) pela manhã informando que a liderança do PMDB no Senado decidiu rever a destituição minha e do senador Pedro Simon da Comissão de Constituição e Justiça. O líder informou que nosso retorno se daria de forma incondicional.   Disse ao líder Raupp que esta era a minha expectativa e o meu desejo, pois dedico mais da metade do meu tempo de trabalho no Senado exatamente à Comissão de Constituição e Justiça. Dessa forma, manteremos a nossa postura de independência e correção, na certeza de que este é o caminho certo a ser seguido.   Veja também: PMDB libera retorno de Simon e Jarbas à CCJ do Senado Cronologia do caso  Entenda os processos contra Renan    Foi Raupp quem fez o convite para o retorno de Jarbas e Simon. Segundo ele, a decisão foi tomada depois de ter conversado três vezes com o ministro de Relações Institucionais, Walfrido dos Mares Guia, articulador político do governo.   "Já tinha dito que tinha humildade suficiente para voltar atrás. Depois de uma reflexão, conversando com a grande maioria dos senadores da bancada, resolvi conversar com o Jarbas. Conversei (com ele) hoje de manhã. Conversei duas vezes com o Simon e resolvi retorná-los à CCJ", disse o líder do PMDB.   E Simon, segundo Raupp, disse que vai refletir, "mas prometeu estudar e dar um retorno". O líder peemedebista, ao tentar explicar os motivos da expulsão dos dois, alegou que havia "um compromisso da bancada do bloco (governista)" de fazer algumas substituições: "Como essas substituições não foram feitas, decidi retornar o Pedro e o Jarbas, mesmo que tivesse de ceder a minha vaga."   Os senadores peemedebistas Paulo Duque (RJ) e Almeida Lima (PB), indicados na semana passada para as vagas de Simon e Jarbas na CCJ, nem se deram ao trabalho de comparecer à reunião de quarta-feira da comissão. A iniciativa de devolver as vagas a Simon e Jarbas deve atender ao presidente da CCJ, senador Marco Maciel (DEM-PE), que, na quarta, voltou a lamentar a forma como ambos foram retirados na comissão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.