Jarbas cobra empenho para aprovar taxação de inativos

O governador de Pernambuco, Jarbas Vasconcelos (PMDB), cobrou hoje mais empenho dos governadores para aprovar, sem mudanças, a proposta de taxação de servidores inativos com rendimento acima de R$ 1.058. "É preciso defender o texto de consenso, senão a coisa muda de rumo, vira brincadeira", disse. Ele criticou governadores que estariam recuando no ponto mais polêmico da reforma previdenciária. A cobrança dos aposentados foi acordada nas duas reuniões dos governadores com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, na Granja do Torto. "Todos sabiam da pressão, não tinha nenhum menino ali", recordou. Sem citar nomes, Jarbas Vasconcelos afirmou que é "profundamente estranho" o recuo e a falta de empenho de governadores em aprovar a cobrança dos inativos e outros pontos das reformas previdenciária e tributária. Na avaliação dele, os pontos de discordância nos textos enviados ao Congresso devem ser discutidos separadamente. O governador citou como exemplo a desoneração das exportações, prevista na proposta de mudança do sistema tributário. "Se esse é o ponto de discórdia, vamos discutir; mas não podemos parar a reforma", afirmou. Ele disse que, nas reuniões com o presidente, três ou quatro governadores eram contrários à taxação dos inativos, mas foram vencidos. "Isso não está mais em discussão. Ficou acordado que todos iam, com suas representações na Câmara, defender a aprovação da matéria. Os Estados estão quebrados?.Ao lado de Lula, o governador participou, no Palácio do Planalto, do lançamento de um programa para a melhoria do ensino público em 48 municípios pernambucanos, financiado por empresários. Em entrevista, Jarbas voltou a afirmar que o PMDB deve apoiar as reformas e ações defendidas pelo presidente, mas sem fazer parte do governo. "Não sei por que o PMDB ainda se reúne para discutir isso", estranhou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.