Jarbas: ''Boa parte do PMDB quer corrupção''

Ele diz à revista ?Veja? que eleição de Sarney é retrocesso

, O Estadao de S.Paulo

14 de fevereiro de 2009 | 00h00

A desilusão e a indignação do senador pernambucano Jarbas Vasconcelos com o seu partido, o PMDB, parecem não ter fim. É o que indica a entrevista que ele concedeu à revista Veja desta semana, na qual afirma que o PMDB é hoje "um partido sem bandeiras, sem propostas, sem norte"; um partido no qual "boa parte quer mesmo é corrupção". Segundo Jarbas, o PMDB atual não passa de "uma confederação de líderes regionais, cada um com seu interesse, sendo que mais de 90% deles praticam o clientelismo, de olho principalmente nos cargos - para fazer negócios, ganhar comissões." E mais: "Alguns ainda buscam o prestígio político. Mas a maioria dos peemedebistas se especializou nessas coisas pelas quais os governos são denunciados: manipulação de licitações, contratações dirigidas, corrupção em geral."De acordo com análise de Jarbas, que já governou duas vezes o Estado de Pernambuco, a degradação do partido teria se acentuado de 1994 para cá, quando "resolveu adotar a estratégia pragmática de usufruir dos governos sem vencer a eleição. Daqui a dois anos o PMDB será ocupante do Palácio do Planalto, com José Serra ou Dilma Rousseff. Não terá aquele gabinete presidencial pomposo no 3º andar, mas terá vários gabinetes ao lado".Sobre a eleição do ex-presidente José Sarney, seu colega de partido, para a presidência do Senado, o senador pernambucano disparou: "É um completo retrocesso. A eleição de Sarney foi um processo tortuoso e constrangedor. Havia um candidato, Tião Viana, que, embora petista, estava comprometido em recuperar a imagem do Senado. De repente, Sarney apareceu como candidato, sem nenhum compromisso ético, sem nenhuma preocupação com o Senado, e se elegeu. A moralização e a renovação são incompatíveis com a figura do senador."Para Jarbas, "Sarney vai transformar o Senado em um grande Maranhão".Nos anos da ditadura, Jarbas fez parte do núcleo dos autênticos do MDB - como eram chamados os parlamentares mais aguerridos e coerentes na luta contra o regime militar. Na abertura, sempre foi elogiado por Luiz Inácio Lula da Silva, que chegou a pensar no nome dele para disputar o cargo de vice-presidente.Hoje, porém, Jarbas é um crítico severo e incansável do governo Lula, que, na entrevista, classifica como "governo medíocre". Sobre a popularidade do presidente da República, ele disse: "O marketing e o assistencialismo de Lula conseguem mexer com o País inteiro. Imagine isso no Nordeste, que é a região mais pobre. Imagine em Pernambuco, que é a terra dele. Ele fez essa opção clara pelo assistencialismo para milhões de famílias, o que é uma chave para a popularidade em um país pobre. O Bolsa-Família é o maior programa oficial de compra de votos do mundo."Procurados pelo Estado, tanto Sarney quanto o presidente da Câmara e presidente licenciado do partido, Michel Temer (SP), não quiseram comentar a entrevista. Sarney disse, por meio de assessores, que eram opiniões pessoais de seu colega de partido. Temer alegou que ainda não havia lido.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.