Jarbas afasta acusado de matar sem-terra

O governador Jarbas Vasconcelos (PMDB) determinou nesta sexta-feira o afastamento do soldado da Polícia Militar Luís José de Moura, acusado de assassinar o trabalhador rural José Marlúcio da Silva durante manifestação do Movimento Nacional dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) no dia 25 de julho do ano passado. A decisão foi tomada por decreto, com base no artigo 14 da Lei 11.929 de 2 de janeiro de 2001, que prevê o afastamento de policiais civis ou militares que estejam respondendo a processo, inquérito ou CPI. "Policial é pago para combater a violência e não para disseminá-la", justificou o governador, que tomou a atitude depois que a Corregedoria Única da Defesa Social concluiu que a bala que matou o trabalhador havia sido disparada pelo soldado Moura. A Corregedoria foi instituída por essa mesma Lei, que estabelece que as investigações sobre abusos cometidos por policiais civis ou militares sejam conduzidas por uma comissão comandada pelo Ministério Público e não mais pelas corporações. Se for condenado, o soldado será expulso da PM. Se inocentado, volta a exercer suas funções e a receber o salário integral, com gratificações (hoje de R$ 602,00; R$ 803,00 a partir do próximo mês). Enquanto estiver afastado, ele receberá apenas o soldo - atualmente de R$ 74,00, a ser reajustado para R$ 200,00 em abril.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.