Jaques Wagner: reforma política pode ser resposta às manifestações

Para governador da Bahia há crise de representatividade: 'As pessoas não se sentem representadas'

21 Junho 2013 | 18h40

O governador da Bahia, Jaques Wagner (PT), disse nesta sexta-feira, 21, acreditar que a votação da reforma política pode ser uma “resposta” do Congresso às manifestações que ocorrem pelo País. “Acho que há uma crise de representação. As pessoas não se sentem representadas, a credibilidade da classe política é baixa”, avalia.

"Se a delegação pelo voto não está construindo uma política sadia aos olhos da população, essa população tem de cobrar uma bandeira concreta: reforma política.”

Para o governador, o Congresso “deve” a votação do tema à população. “Nós vivemos em uma democracia plena e há o questionamento sobre a classe política brasileira, sobre a forma de exercitar o poder, sobre corrupção”, diz.

“Acho que o Congresso Nacional precisa ouvir o grito da rua e pautar esse tema. A classe política brasileira é devedora, para a sociedade, de uma estrutura política representativa que corresponda mais aos anseios da população.”

Wagner também acredita que a série de manifestações deve funcionar como “alerta para quem defende a democracia”. “Se a gente foi eleito para representar a população, a gente precisa ouvir o que as pessoas estão gritando. O Congresso poderia pautar o projeto de reforma política como resposta (às manifestações).”

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.