Jaqueline Roriz teria usado verba da Câmara para pagar sala de marido

Segundo o site da Casa, deputada usou R$ 1.120,74 para custear despesas de imóvel, o que é proibido devido ao parentesco; assessoria da parlamentar nega irregularidades

14 de março de 2011 | 21h43

A deputada federal Jaqueline Roriz (PMN-DF) usou o dinheiro da Câmara dos Deputados para pagar despesas de uma sala que pertence ao marido dela, Manoel Neto. A parlamentar gastou R$ 1.120,74, segundo o site da Câmara, com "manutenção de escritório de apoio à atividade parlamentar".

O endereço, segundo reportagem da DFTV, é uma sala comercial em nome da Idéias Mult Service Publicidades e Veículos Ltda, cujo dono é o marido da deputada. Ele aparece ao lado de Jaqueline no vídeo em que recebem dinheiro das mãos de Durval Barbosa, delator do esquema do mensalão do DF.

O imóvel pago por Jaqueline, porém, está fechado. Não funciona nada no local. A despesa é, por enquanto, a única que aparece no site da Câmara em relação à verba indenizatória de R$ 23 mil a que Jaqueline Roriz tem direito mensalmente para gastos com o mandato.

A regra da Câmara proíbe, segundo o livro de formação dos deputados, "o ressarcimento de despesas a bens fornecidos ou prestados por empresa ou entidade da qual o proprietário ou detentor de qualquer participação seja o deputado ou parente seu de até o terceiro grau".

A assessoria da deputada informou que tem um documento mostrando que a sala foi cedida para uso de escritório parlamentar e que não há irregularidades. Segundo Jaqueline, se a direção da Câmara apontar algum problema, a sala deixará de ser usada por ela.

Tudo o que sabemos sobre:
CâmaraJaqueline Rorizverba

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.