Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Janot pede arquivamento de inquérito contra Anastasia na Lava Jato

Este é o primeiro caso de pedido de arquivamento entre os 50 políticos investigados pela Procuradoria-Geral da República perante o STF por suposto envolvimento no esquema de corrupção da Petrobrás.

Beatriz Bulla e Talita Fernandes, O Estado de S. Paulo

28 Agosto 2015 | 20h15

Atualizado às 22h05

Brasília - O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, encaminhou ao Supremo Tribunal Federal pedido para arquivar o inquérito que investigava suspeitas de que o senador Antonio Anastasia (PSDB-MG) foi beneficiário do esquema de corrupção da Petrobrás. Esse é o primeiro caso de pedido de arquivamento entre as 50 pessoas investigadas no âmbito da Lava Jato pela Procuradoria-Geral da República perante o Supremo. 

O pedido de arquivamento foi tornado público ontem. As suspeitas apontadas pela Procuradoria no início do ano para pedir a abertura do inquérito contra o tucano não se confirmaram. Os procuradores entendem, contudo, que no caso de surgimento de dados objetivos relativos ao senador o inquérito poderá ser reaberto.

Para abrir a investigação, a Procuradoria-Geral da República tomou como base o depoimento do agente da Polícia Federal Jayme Alves Oliveira Filho – conhecido como Careca e apontado como entregador de malas de dinheiro do doleiro Alberto Youssef. 

Careca disse ter entregue em 2010 R$ 1 milhão a uma pessoa que não se identificou e, tempos mais tarde, soube que teria vencido a eleição para o governo de Minas Gerais naquele ano. Ao ser confrontado com uma foto de Anastasia pelos investigadores, o agente disse que o parlamentar se parecia com quem recebeu o dinheiro enviado por Youssef. 

A afirmação, porém, não foi confirmada posteriormente pelo próprio Youssef, em depoimento prestado em delação premiada. Ele confirmou que mandou entregar dinheiro em Belo Horizonte, mas disse que não para Anastasia. 

Até o momento, dos 25 inquéritos existentes no Supremo contra políticos, a Procuradoria-Geral da República já apresentou solução para três. No caso das investigações do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e do senador Fernando Collor (PTB-AL), Janot optou pela solução oposta e ofereceu uma denúncia – acusação formal.

PSDB. O arquivamento, se confirmado pelo Supremo, exclui o PSDB do rol de partidos com parlamentares investigados na Operação Lava Jato. A decisão sobre o pedido de arquivamento caberá ao relator da Lava Jato no STF, ministro Teori Zavascki.

Há pedidos de investigação feitos pela equipe de Janot com base em delações recentes, como a do empreiteiro Ricardo Pessoa, dono da UTC, que permanecem ocultas no Supremo Tribunal Federal e aguardam decisão de Zavascki.

Prazo. A Procuradoria-Geral da República tem até segunda-feira para apontar caminhos que devem ser seguidos em cada um dos inquéritos. Podem ser propostas novas denúncias, arquivamentos ou pedidos de prorrogação da investigação.

O advogado de defesa de Anastasia, Maurício Campos, disse ao Estado que o pedido de arquivamento era a “única solução” para o caso. Para ele, o pedido veio “tardiamente, mas é bom que tenha chegado”. Campos classificou ainda as declarações de Careca como “esdrúxulas” e disse que Youssef foi categórico ao negar que não havia pagamento a Anastasia.

Recentemente, o senador tucano afirmou ao Estado que tinha confiança na Justiça e vivia um misto de “indignação” e “serenidade”. “O fato que foi atribuído a mim nunca existiu. É totalmente inverossímil”, afirmou. “É uma situação um pouco kafkiana.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.