Alter Campanato|Agência Brasil
Alter Campanato|Agência Brasil

Janot pede afastamento de Eduardo Cunha

Pedido foi protocolado pelo procurador-geral da República no gabinete do ministro Teori Zavascki, relator da Operação Lava Jato na Corte, e deve ser analisado em plenário pelos 11 ministros do Tribunal

Beatriz Bulla, Carla Araújo e Adriano Ceolin, O Estado de S.Paulo

16 de dezembro de 2015 | 19h01

Atualizada às 00h12

BRASÍLIA - O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, solicitou nesta quarta-feira ao Supremo Tribunal Federal o afastamento do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), do cargo de deputado federal e, consequentemente, das funções na presidência da Casa. O pedido foi protocolado no gabinete do ministro Teori Zavascki, relator da Operação Lava Jato na Corte, e deve ser analisado em plenário pelos 11 ministros do tribunal. A informação foi antecipada ontem pelo Broadcast, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado, e pelo portal estadão.com.br.

Não há previsão de quando o pedido de afastamento será levado por Zavascki para análise pelo plenário. Esta quinta-feira é o último dia de trabalho do Judiciário do ano, quando entra em recesso e só retorna em fevereiro.

Janot lista uma série de eventos que indicam “crimes de natureza grave”, com o uso do cargo a favor do deputado, integração de organização criminosa e tentativa de obstrução de investigações criminais. O deputado peemedebista é suspeito, por exemplo, de apresentar emendas em onze medidas provisórias de interesse de empreiteiras e bancos, de ameaçar o relator do Conselho de Ética que o investiga e de usar a CPI da Petrobrás para “constranger e intimidar testemunhas” de supostos crimes de corrupção cometidos por ele.

“O Eduardo Cunha tem adotado, há muito, posicionamentos absolutamente incompatíveis com o devido processo legal, valendo-se de sua prerrogativa de presidente da Câmara dos Deputados unicamente com o propósito de autoproteção mediante ações espúrias para evitar a apuração de sua conduta, tanto na esfera penal como na esfera política”, escreveu Janot na peça de 183 páginas.

De acordo com o procurador-geral, o objetivo da medida é garantir a ordem pública para evitar nova prática de crimes e manter o “regular andamento” da investigação. Janot diz que o afastamento não é a medida mais drástica que poderia ser tomada – mais grave seria um pedido de prisão preventiva que, segundo Janot, foi descartada em “um primeiro momento”.

Segundo a Procuradoria, as ações de Cunha para interferir na investigação e no processo de apuração interna no Conselho de Ética da Casa são “evidentes e incontestáveis”.

Janot aponta uso da atividade parlamentar para fins ilícitos, como a venda de medidas provisórias para beneficiar, por exemplo, o BTG Pactual. O peemedebista era um “longa manus” dos bancos, escreveu o procurador-geral. Mensagens de celular captadas mostram ainda conversas do deputado com executivos da OAS para negociar a apresentação de emendas de interesse da empreiteira. Em troca, segundo os investigadores, Cunha teria cobrado pagamentos de R$ 1,5 milhão e R$ 400 mil. “Graves fatos, concretos e recentes, impõem o afastamento de Eduardo Cunha da presidência da Câmara dos Deputados, visto que vem utilizando essa relevante função em benefício próprio e de seu grupo criminoso com a finalidade de obstruir e tumultuar as investigações”, afirmou o procurador. De acordo com ele, Cunha conta com o auxílio de outros parlamentares para realizar as manobras, usando seu poder como presidente da Câmara.

Argumentos. A operação feita nesta semana pela Polícia Federal a pedido da Procuradoria ajudou a embasar o pedido de Janot. Entre os elementos recolhidos nas buscas estão documentos relativos a interesses de Cunha no exterior, como papéis dos bancos Julius Baer e do Merril Lynch. Os investigadores encontraram ainda no bolso do paletó de Cunha o boletim ocorrência em que o deputado Fausto Pinato, ex-relator do processo instaurado no Conselho de Ética, relata crime de ameaça. Para a Procuradoria o “interesse incomum” de Cunha pelo documento reforça a suspeita em torno da atuação do peemedebista para pressionar o então relator do processo.

Entre o material obtido nas buscas, os investigadores também encontraram no quarto do deputado uma folha com informações sobre a aquisição do campo de Benin pela Petrobrás, operação que teria gerado pagamento feito em uma das contas encontradas na Suíça.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.