Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Janot diz que 'roteiro de delação' isenta PGR no caso JBS

Ex-procurador-geral da República reafirma que não sabia de tratativas do ex-procurador Marcello Miller com empresários

Bibiana Borba, O Estado de S.Paulo

09 Novembro 2017 | 12h09

O ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot afirmou nesta quarta-feira, 8, que o “roteiro de delação” escrito por Marcello Miller para a JBS apenas reforça que a PGR não tinha conhecimento sobre a suposta atuação dupla do ex-procurador. Janot ainda disse que o vazamento do e-mail de Miller - divulgado pela Folha de S. Paulo - seria uma “clara orquestração” da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) da JBS para incriminá-lo. Ele se defendeu durante palestra no Tribunal de Contas de Mato Grosso, em Cuiabá, e em mensagens publicadas em sua conta pessoal no Twitter.

+++ Procuradores dizem que convocação de Pelella pela CPI da JBS é 'atentado, vingança'

“O fato de o presidente da República ter sido acusado da prática de mais de um crime, no exercício da Presidência, não é notícia. A notícia é que um dos 'braços direitos do procurador' instruiu a JBS a se comportar desta ou daquela maneira”, afirmou, em tweet publicado nesta quinta-feira, 9.

+++ Temer diz que foi denunciado porque Janot queria impedir nomeação de novo chefe do MP

Janot destacou que, ao vir à tona um guia no qual Miller alertava sobre empecilhos que seriam colocados por seus colegas da PGR, ficaria ainda mais claro que ele agiu sozinho para beneficiar os irmãos Batista. O material vazado pela CPI mista que investiga as irregularidades na delação também inclui uma possível proposta de honorários feita por Miller a delatores - não está claro se o caso seria o da JBS.  O e-mail de Miller apontava um roteiro sobre possível proposta de honorários em um eventual acordo de leniência ou delação.

+++ 'Já respondo: não sou candidato', diz Janot em estreia no Twitter

O grupo J&F começou a negociar o acordo de leniência em março e Marcello Miller atuou como procurador da República até abril deste ano, quando deixou o MPF para integrar um escritório de advocacia que chegou a defender os empresários.

+++ Advogado diz que Marcello Miller mandou gravar reunião com advogados da Odebrecht

A revelação sobre a possível atuação dupla do ex-procurador levou Rodrigo Janot, então titular da PGR, a rescindir os acordos de leniência e os benefícios dos quais a JBS poderia usufruir pelas delações. Ele também encaminhou pedido de prisão de Miller, que foi negado pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

+++ Presidente da CPMI da JBS sugere cancelamento de delações

Nesta semana, a CPMI da JBS convocou o ex-chefe de gabinete de Janot, Eduardo Pelella, para depor – iniciativa que o ex-PGR também sugere fazer parte da tentativa de senadores e deputados de incriminá-lo no caso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.