DIDA SAMPAIO/ESTADÃO
DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

Janot diz que 'investiga fatos, jamais instituições'

Alvo de críticas de parlamentares após operação que fez buscas em endereços de políticos, procurador-geral da República rebate acusações

Beatriz Bulla, O Estado de S. Paulo

20 de julho de 2015 | 16h13

Atualizado as 23h45

Brasília - Após ser alvo de críticas de parlamentares investigados na Operação Lava Jato, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, esclareceu nesta segunda-feira, 20, que “investiga fatos, jamais instituições” e reagiu às sugestões de que enfrentará a resistência de senadores no processo de recondução ao cargo. 

Desde terça-feira, quando a Operação Politeia autorizou buscas e apreensões em imóveis de três senadores, cresceu a oposição ao nome de Janot no Senado, que precisará aprovar entre agosto e setembro o próximo procurador-geral. 

Em nota, Janot afirmou que o Ministério Público “sempre buscou o diálogo permanente com os Poderes constituídos” para fortalecer a República, “o que passa necessariamente pelo funcionamento de um Senado Federal altivo e de pé”. 

“Como é de conhecimento público, a Constituição Federal atribui ao Procurador-Geral da República, sob supervisão do Supremo Tribunal Federal e do Superior Tribunal de Justiça, a condução de investigações de forma sóbria e responsável em relação às altas autoridades da República, sejam elas do próprio Ministério Público ou dos Poderes Legislativo, Judiciário ou Executivo”, defendeu Janot. 

De acordo com líderes governistas no Senado, Janot terá dificuldades para ser reconduzido ao cargo após as batidas policiais nas residências de Fernando Collor (PTB-AL), Ciro Nogueira (PP-PI) e Fernando Bezerra (PSB-PE). 

Para se manter na função, Janot precisa encabeçar lista tríplice formada por eleição interna da categoria, em 5 de agosto, depois ser indicado pela presidente da República e, então, passar pelo crivo dos senadores. Nos bastidores, a passagem pelo Senado é vista como a etapa mais difícil da disputa. 

Em março, Janot pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) a abertura de inquéritos contra 13 senadores por suposto envolvimento no esquema de corrupção da Petrobrás, entre eles o presidente da Casa, Renan Calheiros (PMDB-AL). 

Além da resistência do Senado, Janot tem sido alvo de críticas do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que o acusa de estar “a serviço do governo” e conduzir a investigação de forma pessoal. Collor também tem usado a tribuna do Senado para criticar sua atuação abertamente. 


Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.