Janot defende manutenção do crime de quadrilha

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, defendeu há pouco a manutenção da condenação pelo crime de formação de quadrilha do operador do mensalão, Marcos Valério, e dos ex-sócios Ramon Hollerbach e Cristiano Paz. Segundo ele, está comprovado nos autos que o trio se associou com fins de delinquir, o que foi reconhecido, na opinião dele, durante o julgamento realizado em 2012.

RICARDO BRITO, Agência Estado

26 de fevereiro de 2014 | 15h32

O chefe do Ministério Público Federal argumentou que não entende que as empresas do trio, a SMP&B e a DNA, sejam de fachada. Mas considerou que, em um dado momento, elas se uniram para participar do esquema de compra de apoio político.

"O problema é que a questão não ficou só nisso (atividade regular das empresas). Houve uso dessa estrutura societária para a pratica deliberada de ilícitos", afirmou ele, ao ressaltar que provas técnicas também apontaram a prática de outros crimes da quadrilha.

Tudo o que sabemos sobre:
mensalãoJanot

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.