Rafael Arbex/Estadão
Rafael Arbex/Estadão
Imagem Vera Magalhães
Colunista
Vera Magalhães
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Janelas se fecham

Alckmin dedicará as próximas semanas a uma agenda intensa, enquanto assiste à gradual saída de cena de eventuais concorrentes

Vera Magalhães, O Estado de S.Paulo

07 de março de 2018 | 03h00

A exatamente um mês do prazo final para deixar o governo de São Paulo para se candidatar à Presidência, Geraldo Alckmin dedicará as próximas semanas a uma agenda intensa, que mescla a entrega de obras no front doméstico com a montagem de palanques que deem sustentação a seu projeto eleitoral.

O leque de inaugurações inclui estações (atrasadas) de metrô e as obras restantes do pacote hídrico lançado em 2013, na crise de abastecimento que atingiu o Estado. A ideia é robustecer o portfólio com que o tucano quer se apresentar para o resto do País quando deixar o cargo – e fornecer as manjadas imagens para o horário eleitoral, claro.

A costura que fará como presidente do PSDB tem como fio condutor a determinação de juntar tantos partidos quantos forem possíveis à sua aliança. Para isso, os acordos regionais ganham peso extra às vésperas do prazo final de definições de candidaturas.

Enquanto cumpre esse plano, Alckmin assiste à gradual saída de cena de eventuais concorrentes. Depois de Luciano Huck, agora é Henrique Meirelles o eliminado da vez do Big Brother Presidencial.

Gilberto Kassab fez questão de lhe mandar o bilhete azul em entrevista ao programa Roda Viva, da TV Cultura. Pelo PSD, o sonho presidencial do titular da Fazenda não se concretizará. Resta a ele se conformar ou tentar abrigo em outras legendas. Quanto mais se aproxima o fechamento da chamada janela partidária, menores são essas escotilhas.

BANDEIRA BRANCA

DEM lança Maia, mas faz acenos de paz a tucano

O DEM foi explícito: Alckmin não deve entender o balão de ensaio da candidatura de Rodrigo Maia como gesto de hostilidade. O governador foi convidado para a convenção amanhã, onde seria “muito bem recebido”, mas não irá em razão da viagem a Washington.

MENOS UM

Alckmin já não conta com o PSB em sua coligação

Nos cálculos de tempo de TV que apresenta a aliados, Alckmin já não inclui o PSB. O tucano acha que as conversas com o partido se complicaram em razão da disputa em São Paulo e da propensão do comando nacional pessebista de orbitar ao redor ao PT. 

POPULARIDADE

Reveses no STF ofuscarampauta da segurança, vê Planalto

Diante da pesquisa CNT/MDA que mostra quase inalterada a impopularidade de Michel Temer mesmo depois da intervenção federal no Rio, a avaliação no Palácio do Planalto é de que a pauta da segurança foi solapada pela sucessão de reveses que o presidente sofreu no Supremo Tribunal Federal desde a semana passada. A quebra de sigilo do emedebista e sua inclusão em mais um inquérito jogam contra seu discurso de que foi vítima de uma “conspiração” de Rodrigo Janot e os irmãos Batista, reconhece um aliado.

‘LÍDER FERIDO’

Políticos citados por delatores evitam acusar Paulo Preto

Chamou a atenção de integrantes do Ministério Público a extrema cautela com que Gilberto Kassab se referiu a Paulo Vieira, o Paulo Preto, na recente entrevista. Advogados dos citados nas delações da Odebrecht explicam o porquê: a ordem aos clientes é evitar provocar o ex-diretor da Dersa, que oscila como biruta entre fazer ou não um acordo de colaboração judicial.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.