Adriano Machado/Reuters
Adriano Machado/Reuters

'Jamais seremos os motivadores de qualquer ruptura', diz Bolsonaro

Após treinamento militar que teve 'Missão Impossível' como fundo musical, presidente afirma que Brasil é 'potência democrática'

Daniel Galvão, O Estado de S.Paulo

17 de agosto de 2021 | 00h56

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta segunda-feira (16), em Formosa (GO), que não age contra a democracia. “Jamais seremos os motivadores de qualquer ruptura ou de medidas que tragam intranquilidade ao povo brasileiro", disse Bolsonaro ao participar, ao lado de uma comitiva de ministros, da Operação Formosa, treinamento militar promovido pela Marinha.

Os exercícios duraram cerca de duas horas, simulando situações de combate, até mesmo com voos de bombardeio. Uma parte da ação apresentou o tema do filme “Missão Impossível” como fundo musical.

Bolsonaro disparou tiros de artilharia, assim como o ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira, líder do Centrão. "Esse preparo dos senhores nos orgulha. As Forças Armadas são de todos nós; elas garantem, dão suporte aos Três Poderes. Qualquer movimento nosso visa única e exclusivamente a defesa da Pátria", afirmou o presidente.

Um vídeo divulgado pelo deputado Hélio Lopes (PSL-RJ) no Instagram mostra Bolsonaro se dirigindo aos militares. O presidente disse que o treinamento, feito há mais de 30 anos, "passava, sim, de forma despercebida".

No último dia 10, veículos blindados fizeram um desfile na Praça dos Três Poderes, em Brasília, horas antes do debate do voto impresso, que foi rejeitado pela Câmara. Bolsonaro foi acusado por deputados de promover o desfile bélico para pressionar o Legislativo no dia da votação. Ao apontar, sem apresentar provas, problemas de vulnerabilidade nas urnas eletrônicas, Bolsonaro chegou até a ameaçar a realização de eleições em 2022, caso não fosse aprovado o voto impresso.

Bolsonaro disse nesta segunda-feira, em Formosa, que o que lhe traz paz e, "por vezes, algumas horas de sono tranquilo", é saber que em qualquer lugar do Brasil tem um integrante das Forças Armadas. “Um militar atento ao que está acontecendo e pronto para trabalhar pela nossa democracia, pela nossa liberdade, pelas garantias dos Poderes", discursou. "O Brasil precisa de paz, tranquilidade, precisa de harmonia, precisa de todos, sem exceção, que respeitem a Constituição", afirmou ele. Neste sábado, 14, o presidente anunciou nas redes sociais que entrará no Senado com pedido de impeachment dos ministros do Supremo Luís Roberto Barroso e Alexandre de Moraes, que, na sua visão, “extrapolam com atos os limites constitucionais”.

Bolsonaro declarou, ainda, que não existe compromisso maior do que o de servir a Pátria, buscar a tranquilidade e a ponderação. "Como tenho dito e repetido, temos hoje um presidente da República que acredita em Deus, que respeita os seus militares, que defende a família e deve lealdade ao seu povo. Creio que, com isso, temos tudo para progredir, para crescer, para dar cada vez mais demonstração ao mundo de como um país é, realmente, acima de tudo, uma potência democrática", disse. O presidente afirmou, depois, que o Brasil "está sendo solicitado" para uma missão humanitária no Haiti, após um terremoto que devastou o país.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.