Stefan Jeremiah/Reuters
Stefan Jeremiah/Reuters

Jair Bolsonaro diz ter testado negativo para covid e deve retomar agenda presencial

Integrantes da comitiva presidencial ao EUA contraíram a doença, como o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, e o deputado e filho do presidente, Eduardo Bolsonaro; teste foi realizado na manhã deste domingo no Alvorada

André Shalders e Célia Froufe, O Estado de S.Paulo

26 de setembro de 2021 | 11h00
Atualizado 26 de setembro de 2021 | 17h41

BRASÍLIA - O presidente da República, Jair Bolsonaro, diz ter testado negativo para covid-19 neste domingo, 26. As informações foram confirmadas em nota da Secretaria de Comunicação (Secom) do Planalto. Com isso, o mandatário deverá retomar as atividades presenciais a partir desta segunda-feira, 27. Segundo apurou o Estadão, o teste foi realizado na residência oficial de Bolsonaro, o Palácio da Alvorada, onde ele está cumprindo isolamento desde que voltou dos Estados Unidos.

O teste de covid de Bolsonaro foi uma recomendação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e o método usado foi o RT-PCR, considerado o mais preciso para detectar a infecção pelo vírus. O teste consiste em uma espécie de “cotonete”, chamado de swab, que é introduzido no nariz da pessoa. O resultado é quase instantâneo. A aplicação do teste foi necessária porque parte da comitiva de Bolsonaro aos EUA testou positivo para a doença nos últimos dias — caso do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, e do filho do presidente, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP). Um diplomata que acompanhava o grupo também testou positivo para a doença. 

O presidente esteve em Nova York para participar da Assembleia Geral das Nações Unidas (ONU), onde fez o tradicional discurso de abertura, que cabe ao Brasil.  Bolsonaro estava em isolamento no Palácio da Alvorada desde quarta-feira, 22, quando voltou ao país. Agora, com a confirmação de que não está infectado, o presidente voltará às atividades presenciais.

A agenda de Bolsonaro para a semana inclui uma cerimônia alusiva aos mil dias de governo, que se completam neste domingo, 26, e uma série de viagens pelo país para a inauguração de obras. A primeira região a ser visitada deve ser a Nordeste, seguida por Estados da região Norte. Na Bahia, por exemplo, Bolsonaro deve inaugurar obras em 10km de estradas.

O líder do governo na Câmara, deputado Ricardo Barros (PP-PR), afirmou por meio de suas redes sociais que está “confirmadíssima” a presença do presidente Jair Bolsonaro na inauguração da ampliação do aeroporto de Maringá, no interior do Paraná. De acordo com o parlamentar, serão investidos RS 110 milhões entre obras e equipamentos. “Maringá logo será um hub de cargas aéreas”, previu ele, que já foi prefeito da cidade. “Muitas inaugurações, em todos os Estados brasileiros. As ações de governo ficam cada vez mais visíveis. Indiscutível a qualidade das realizações do governo”, acrescentou Barros.

O deputado se tornou um dos investigados da CPI da Covid, do Senado, depois de ter sido ouvido pelos membros da comissão na condição de testemunha. Segundo o relator da CPI, Renan Calheiros (MDB-AL), Barros teria participado em negociações de vacinas no Ministério da Saúde por meio do ex-diretor de logística Roberto Ferreira Dias.

Tudo o que sabemos sobre:
Jair Bolsonarocoronavírus

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.