DIDA SAMPAIO/ESTADÃO
DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

Bolsonaro diz que Michel Temer está disposto a colaborar no que for possível

Presidente eleito também recebeu acesso ao sistema E-Governa, um banco de dados com as informações oficiais de todas as áreas do governo, separadas por ministério

Tânia Monteiro, Mariana Haubert e Dida Sampaio, O Estado de S.Paulo

07 Novembro 2018 | 16h03

BRASÍLIA - O presidente eleito Jair Bolsonaro afirmou nesta quarta-feira, 7, contar com a ajuda do presidente Michel Temer para conduzir uma transição "no que for possível". Os dois se reuniram oficialmente no Palácio do Planalto nesta tarde. 

Segundo Bolsonaro, ele foi à sede do poder Executivo em caráter de visita e Temer demonstrou estar disposto a colaborar. Bolsonaro agradeceu pela disposição do atual governo e disse que poderá procurar o presidente no futuro. 

"Estou feliz porque pedi uma audiência ao presidente Temer e ele a concedeu, mas foi muito mais em forma de visita. Conversamos sobre vários assuntos, entre eles obviamente a governabilidade e o final de seu governo. Ele está disposto a colaborar conosco no que for possível", afirmou Bolsonaro em um rápido pronunciamento à imprensa. 

Bolsonaro afirmou que procurará Temer mais vezes durante o período da transição para que haja uma transição "de modo que os projetos de interesse do nosso Brasil continuem fluindo dentro da normalidade". O futuro presidente não descartou a possibilidade de continuar procurando Temer mesmo depois de tomar posse. 

"Tem muita coisa que continuará. O Brasil não pode se furtar do conhecimento daqueles que passaram pela Presidência e será útil a todos nós", disse. Bolsonaro agradeceu pela acolhida que teve por parte de Temer.

Em seguida, Temer reafirmou a disposição de colaborar "intensamente", inclusive, com a tentativa de votar projetos de interesse de Bolsonaro no Congresso ainda neste ano. Bolsonaro tem dito que seria importante que o Congresso pudesse votar pelo menos uma parte da reforma da Previdência. Parlamentares, no entanto, acreditam que não há tempo hábil para que isso aconteça. 

Temer contou ainda que convidou o seu sucessor para acompanhá-lo em viagens internacionais que realizará até o fim do ano, como a que fará para participar do encontro do G-20. Bolsonaro, porém, passará por uma nova cirurgia em dezembro e seu estado de saúde pode inviabilizar uma viagem internacional neste momento.

Temer também ressaltou que, passada a eleição, o Brasil passa por um momento "político-administrativo" em que os brasileiros devem se unir em prol do País.

O presidente contou ainda que entregou, simbolicamente, as chaves de onde será o gabinete do futuro mandatário. "Em 1º de janeiro terei a honra de entregar simbolicamente as chaves do Palácio do Planalto", disse. 

Além dos dois presidentes, acompanharam o encontro, que durou 45 minutos, os ministros da Casa Civil, Eliseu Padilha, e da Secretaria de Governo, Carlos Marun, o coordenador da transição, o ministro extraordinário Onyx Lorenzoni, já indicado para assumir a Casa Civil, e o general Augusto Heleno, que assumirá o Gabinete de Segurança Institucional. O filho mais novo de Bolsonaro, Jair Renan, também estava presente.

Bolsonaro recebe 'chave' de Michel Temer em Brasília

Ao visitar o Palácio do Planalto pela primeira vez desde que foi eleito presidente, Jair Bolsonaro também recebeu das mãos do presidente Michel Temer as chaves do sistema E-Governa, um banco de dados com as informações oficiais de todas as áreas do governo, separadas por ministério. 

Bolsonaro e Temer concederam uma coletiva conjunta à imprensa ao final do encontro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.