Reprodução
Reprodução

Bolsonaro terá restrições alimentares 'pelo resto da vida'; entenda

Flávio alega que o pai, fã de 'pastel, pizza e churrasco', 'não se dar ao luxo de fazer muitas coisas que gostaria'; médicos recomendam evitar alimentos fibrosos e de alta fermentação

Davi Medeiros e Natália Santos, O Estado de S.Paulo

04 de janeiro de 2022 | 14h06
Atualizado 05 de janeiro de 2022 | 12h25

O senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ) afirmou nesta terça-feira, 4, que o presidente Jair Bolsonaro (PL) terá de conviver com restrições alimentares pelo “resto da vida”. O chefe do Executivo está internado desde ontem no Hospital Vila Nova Star, em São Paulo, para tratar um quadro de obstrução intestinal, consequência do atentado a faca que sofreu em 2018.

Segundo o parlamentar, a facada sofrida pelo presidente deixou consequências “físicas e psicológicas”. Entre elas, restrições alimentares permanentes. “Ele não pode se dar o luxo de fazer muitas coisas que gostaria”, disse o senador, acrescentando que o presidente gosta de comer “pastel, pizza e churrasco”.

O boletim médico divulgado pelo hospital nesta manhã informou que Bolsonaro está evoluindo bem com o tratamento clínico e descartou a necessidade de cirurgia, mas atestou ainda que não há previsão de alta.

Dieta

A dieta tem impacto direto em casos como o de Bolsonaro, destacam especialistas ouvidos pelo Estadão. O quadro de obstrução intestinal - que o presidente já havia apresentado em julho - ocorre quando há aderência entre alças do intestino, impedindo a passagem adequada dos alimentos.  A sucessão de cirurgias às quais o mandatário já se submeteu em função da facada favorece o surgimento de aderências.

"Ele tem essas aderências porque foi muito manipulado anteriormente com cirurgias intra-abdominais", explicou o médico Marcelo Borba, coordenador do Núcleo de Doenças Inflamatórias Intestinais do Hospital Sírio-Libanês. "Nesses casos, tem de fazer uma certa dieta, por exemplo, evitar alimentos que fermentam muito, como leite, ou que são muito fibrosos e de difícil digestão, por exemplo, vegetais e legumes."

A médica Renata Fróes, doutoura em gastroenterologia pela UERJ e titular do grupo de doenças inflamatórias intestinais do Brasil (GEDIIB), explica que esses alimentos podem gerar um bolo fecal maior, dificultando a passagem pelo intestino. Ela também cita a carne como um alimento a ser evitado, principalmente na fase aguda do quadro clínico. No dia a dia, a médica afirmou que, em geral, o consumo de carne pode ser feito em pedaços pequenos e bem mastigados. No caso do consumo de gorduras, como citado pelo Flávio, a médica explica que, em geral, "o consumo de gorduras não tende a piorar o quadro, mas cada organismo responde de uma forma individual". 

Segundo Borba, a quantidade de alimento ingerido também pode ter impacto. "Quem tem essas aderências e come muito pode ter obstruções também, uma vez que aumenta o fluxo de alimento no intestino", disse Borba. "O importante é ter um acompanhamento nutricional. O que fazer nesse caso é tratar e, eventualmente, operar quando for muito necessário."

O ideal é evitar a intervenção cirúrgica porque ela pode provocar novas aderências. Segundo o especialista, o que pode acontecer é ele entrar num looping de operar-obstruir. "Quanto mais se opera, mais cria aderências e mais difícil fica passar a comida." A cirurgia só seria indicada em casos de obstrução total e quando não é possível resolver clinicamente. Bolsonaro foi diagnosticado com uma suboclusão, quando há obstrução é parcial. 

Renata Fróes explica que a dor nesse quadro clínico ocorre porque há uma dilatação no intestino na parte anterior da obtrução, por causa do acúmulo do bolo fecal. "Quando há a dilatação, os nervos e a circulação sanguínea são comprimidos, o que causa a dor", diz.

Para lidar constantemente com esse quadro, a médica explica que são necessárias três condutas: alimentação orientada por nutricionista, beber bastante água e praticar exercícios físicos. "A água é emoliente e faz a comida escorregar; enquanto o exercício físico fortifica a musculatura abdominal, o que faz com que as fezes passem mais facilmente pelo local obstruído", disse.

Hábitos

Flávio Bolsonaro afirmou que o cardápio do presidente é mais regrado quando ele está trabalhando, diferentemente do que ocorre em momentos de descanso. No último fim de semana, Bolsonaro almoçou em um restaurante que serve pizza e frutos do mar em São Francisco do Sul, Santa Catarina. No primeiro dia do ano, o Restaurante do Rui, como é chamado o estabelecimento, agradeceu em postagem nas redes sociais a presença do presidente.

Flávio contou ainda que o chefe do Executivo tem dificuldades para seguir uma rotina alimentar adequada, dado que sua agenda não permite prever horários fixos para alimentação. “As coisas acontecem de forma dinâmica e ele precisa ficar mudando sua programação, o que dificulta tomar café, almoçar, comer à noite”, disse. Apesar de a equipe médica não informar se há previsão de alta para o presidente, Flávio afirmou que o pai pode deixar o hospital "a qualquer momento".

Tudo o que sabemos sobre:
Jair Bolsonaro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.