Jader usa Sudene para atacar ACM

O presidente do Senado, Jader Barbalho (PMDB-PA), fez referência a uma entrevista, publicada no Diário O Povo, de Fortaleza, na qual o vice-presidente da CPI do Finor, deputado José Pimentel (PT-CE) afirma que as fraudes na Sudene resultaram em um desvio maior do que o apontado na Sudam. Ironicamente, Barbalho disse que, mesmo com esta constatação de Pimentel, seria leviano dizer que colegas do Senado, que indicaram superintendentes da Sudene ao longo do tempo, também devem ser responsabilizados por tais fraudes. Barbalho se referia ao ex-presidente do Senado Antônio Carlos Magalhães, que em épocas passadas também teria indicado superintendentes da Sudene. Em uma outra referência irônica a ACM, Barbalho disse que ele próprio não pode ser punido retroativamente por ter se envolvido com pessoas que posteriormente foram apontadas como suspeitas de fraudes. Se fosse leviano, disse Barbalho, faria menção aos sócios do ex-banqueiro baiano Angelo Calmon de Sá, acusado de gestão temerária, negócios suspeitos e evasão de divisas. "Não vou estender possíveis responsabilidades do senhor Angelo Calmon de Sá a ninguém", afirmou. Barbalho disse ainda que é favor que o Ministério Público apure severamente não só as irregularidades na Sudam e na Sudene como também no BNDES, no Banco do Nordeste, no Banco do Brasil, na Eletrobrás, nos fundos de pensão, e "em toda a parte".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.