Jader tenta evitar prisão e bloqueio de bens

A batalha jurídica do ex-senador Jader Barbalho (PMDB-PA) para se manter na vida pública parece estar apenas começando. Sem a imunidade parlamentar debaixo da qual sempre se abrigou para não ter de responder a diversos processos por suspeita de desvio de recursos públicos, Jader agora tenta evitar que seus bens sejam declarados indisponíveis ou mesmo que tenha a prisão preventiva decretada por suposto desvio de dinheiro do Banpará.O advogado Sábato Rosseti, defensor de Jader, informou que ingressará amanhã no Tribunal de Justiça do Pará, com medida cautelar para que o ex-senador não sofra ameaça em sua liberdade devido aos inúmeras ações que começou a enfrentar desde a perda do mandato. "Não cabe prisão e nem bloqueio de bens, porque a autoria dos desvios ocorridos no Banpará não foi comprovada contra Jader", defende Rosseti.Ele entende que o crime estaria prescrito e, por conta disso, pedirá o arquivamento de uma ação popular movida há oito anos contra Jader pelo advogado Paulo Lamarão. Na ação, o advogado pede que Jader devolva aos cofres públicos o dinheiro que teria sido desviado. Se não o fizer, poderá ser preso.Sobre o processo que está sendo preparado pelo Ministério Público Estadual, Rosseti afirma que os promotores Hamilton Salame, João Gualberto Santos e Agar Jurema estariam fazendo isso por "questão pessoal" contra Jader. O advogado sustenta que o ex-senador ainda não foi processado pelos três promotores por "falta de convicção".O governador do Pará, Almir Gabriel (PSDB), garantiu hoje que a renúncia de Jader não muda o quadro político no Estado nem a estratégia para fazer seu sucessor, na eleição do próximo ano. Ele, porém, descarta qualquer acordo político com o ex-senador."Temos um destino, uma proposta e um plano de governo e nossa intenção é seguir por este caminho. As nossas propostas para o povo paraense são fundadas na austeridade, honestidade, decência no trato do dinheiro público, e investimentos capazes de fazer com que o Estado se desenvolva distribuindo renda e preservando a natureza", resumiu o governador.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.