Jader se diz vítima de "um complô"

Ao desembarcar em Brasília vindo de Belém, o presidente licenciado do Senado, Jader Barbalho (PMDB-PA), foi claro sobre sua posição em relação às denúncias que vêm sendo apresentadas contra ele: "Estou diante de um complô político, e não renunciarei à Presidência do Senado". Jader está em sua residência, mantendo contatos políticos e em conversas com seu advogado Antônio Mariz. Ainda hoje, ele irá preparar ofício a ser encaminhado ao presidente interino do Senado, Edison Lobão (PFL-MA), com os extratos de suas contas bancárias no Citibank e no Banco Itaú, no período de 1983 1987. Em uma conversa com a Agência Estado, Jader disse que espera, com esta documentação, comprovar a inexistência de depósito de recursos desviados do Banpará para a suas contas bancárias, no período que está sendo objeto de auditoria pelo Banco Central. O senador não deverá ir ao Congresso nesta tarde. Aparentemente tranqüilo, ele se revelou disposto a depor no Conselho de Ética do Senado. "Como presidente da Casa, estou pronto a prestigiar o Conselho", afirmou. Ele considera no mínimo uma ?precipitação? o fato de o senador Jeferson Peres (PDT-AM) ter pedido sua renúncia. "Não renunciarei em nenhuma hipótese", assegurou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.