Jader renuncia à presidência do Senado

O presidente do Senado, Jader Barbalho (PMDB-PA), renunciou nesta tarde à presidência do Senado, em pronunciamento da tribuna do plenário. O senador atribuiu as acusações que vem sofrendo ao fato de ele, como presidente do PMDB, ter se colocado numa posição estratégica do jogo político ao presidir a Casa. Barbalho refutou a acusação do relatório preliminar da Comissão Especial de Inquérito do Conselho de Ética de que ele mentiu ao negar ter sido beneficiado pelos desvios dos recursos do Banpará."Como acusar-me de mentir porque nego acusação no exercício de minhas garantias constitucionais de proclamar a minha inocência?", disse. Jader reafirmou que não há nenhuma prova de que tenha sido beneficiado. "Como podem afirmar que estou mentindo? Eu reafirmo: não recebi este dinheiro em minhas contas pessoais", afirmou.Jader diz que prometeu imparcialidade a ACM Jader disse que durante o processo de cassação dos senadores Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA) e José Roberto Arruda (sem partido-DF) chegou a conversar com o primeiro por telefone e a assegurar-lhe imparcialidade na condução do processo, apesar de serem adversários políticos.Segundo Barbalho, o telefonema foi feito a pedido de Arruda e teve como testemunhas os senadores Edison Lobão (PFL-MA), interlocutor permanente das partes durante todo o episódio, e os senadores Amir Lando (PMDB-RO) e Ney Suassuna (PMDB-PB), representantes do PMDB no Conselho de Ética do Senado.Barbalho disse ainda que, na conversa, assegurou que não admitiria pré-julgamento nem a punição antecipada e, com isso, não estaria fazendo favor pessoal, pois a sentença deve ser o último ato, e não o primeiro, num julgamento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.