Jader prometeu, mas não apresentou documentos

Uma semana depois de ter prometido divulgar documentos para explicarsua transação comercial com o empresário José Osmar Borges, o presidente do Senado, Jader Barbalho (PMDB-PA),apresentou nesta terça-feira apenas a declaração incompleta de Imposto de Renda, de 1997, de sua esposa, Márcia Cristina ZaluthCenteno.O documento registra 207 cotas da Agropecuária Campo Maior, no valor de R$ 207,00. A mulher de Barbalho foi sóciade Borges - apontado como um dos maiores fraudadores da Superintendência da Amazônia (Sudam) - nesta agropecuária queacabou, mais tarde, incorporada a Fazenda Rio Branco, de propriedade de Barbalho. Na semana passada, o presidente do Senado se comprometeu a entregar as cópias das declarações de IR dos últimos anosde sua mulher, que registram a sociedade com Borges.Barbalho também prometeu cópias das declarações de IR da FazendaRio Branco, que incorporou a Campo Maior.Mas nesta terça-feira ele limitou-se a divulgar a cópia parcial da declaração de 1997 de sua mulher, sem apresentar nenhumdocumento referente à declaração de renda da Fazenda Rio Branco.A assessoria de imprensa de Barbalho explicou que a declaração de Imposto de Renda de sua esposa era incompleta porqueMárcia foi casada com outra pessoa e, por isso, o restante do documento era sigiloso.O documento apresentado pelo senador é apenas o recibo de entrega da declaração de ajuste anual, de 1997, e todos os campos onde deveriam aparecer ototal de rendimentos tributáveis e se havia imposto a pagar ou a restituir foram apagados.Restou apenas a relação das 207cotas, no valor de R$ 207,00, de capital da Campo Maior.Junto com a declaração de IR, Jader Barbalho também divulgou um relatório de fiscalização (número 268/99) com o cabeçalhodo Ministério do Planejamento e Orçamento e da Sudam, o qual mostra que o investimento total projetado para o projetoCenteno & Moreira, de propriedade de Marcia Centeno, é de R$ 828.181,05.E desse total, segundo o documento, R$ 422.154,82 são recursos da Sudam para a implantação do ranário. O relatório da autarquia refere-se a setembro de 1999, e osnúmeros apresentados no documento são semelhantes aos divulgados pela assessoria do presidente do Senado.Segundoinformações de Barbalho, o projeto de sua esposa nunca recebeu R$ 9 milhões em recursos da Sudam.Nesta terça-feira, o presidente do Senado voltou a defender sua esposa que, segundo reportagem publicada pela revista Veja, estariasendo investigada pela Sudam sob a suspeita de desvio R$ 9 milhões de recursos da autarquia.?Estou tranqüilíssimo emrelação a isso tudo?, disse Barbalho. ?Tudo não passou de uma grande leviandade e pirotecnia?, completou. Disse ainda que nãoé contrário a investigar ninguém ?nem a dona Márcia, nem o presidente da República?.?As investigações em um regimedemocrático são normais, mas não pode haver uma punição antecipada?, observou o presidente do Senado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.