Jader pode depor já na semana que vem no Senado

O senador Romeu Tuma (PFL-SP), que integra a comissão do Conselho de Ética encarregada de investigar as denúncias contra o senador Jader Barbalho (PMDB-PA), disse hoje que, já na próxima semana, o presidente licenciado do Senado poderá ser ouvido pela comissão. Ele espera encerrar dentro de uma semana as investigações da denúncia envolvendo Jader na cobrança de propina para a liberação de recursos da Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia (Sudam), em 1998. Para agilizar os trabalhos, Tuma e os senadores Jefferson Peres (PDT-AM) e João Alberto (PMDB-MA) vão passar a sexta-feira em Manaus, ouvindo depoimentos de pessoas envolvidas nesse caso. Às 9 horas, eles ouvem Nivaldo Marinho, ex-assessor do deputado estadual Mario Frota (PDT-AM), que prestará depoimento às 11 horas. Segundo gravação divulgada pela revista IstoÉ, o deputado Mario Frota telefonara para o empresário David Benayon a fim de informar que Jader queria um pedágio de US$ 5 milhões para autorizar o financiamento de US$ 40 milhões pela Sudam. Tuma ressaltou que Frota teria acusado Marinho de imitar sua voz. Depois de ouvir Frota e seu ex-assessor, os senadores vão tomar o depoimento, às 15 horas, do empresário Benayon e, no sábado, de sua esposa. "Além dessas quatro pessoas, podemos ouvir outras testemunhas envolvidas no caso", disse Tuma. O perito Ricardo Molina, da Unicamp, vai acompanhar os senadores, com o objetivo de confrontar a voz de Mário Frota com a gravação que já se encontra em poder da comissão do Conselho de Ética. "É preciso esclarecer se a voz gravada denunciando uma negociata de US$ 5 milhões é a do deputado Mario Frota", disse Tuma.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.