Jader pede inquérito contra IstoÉ

O presidente do Senado, Jader Barbalho (PMDB-PA), informou na noite de hoje, por intermédio de sua assessoria de imprensa, que está encaminhando ao procurador-geral da República, Geraldo Brindeiro, um ofício no qual solicita que providencie a instauração de inquérito policial e de uma ação penal contra a revista IstoÉ. No ofício, ele qualifica de "leviana, mentirosa e irresponsável" reportagem publicada na edição deste fim de semana da revista, envolvendo seu nome em suposto episódio de compra e venda de Títulos da Dívida Agrária (TDAs)". Segundo Jader, a reportagem é resultado de uma chantagem que o advogado Gildo Ferraz vem fazendo por ter interesses seus contrariados ao não realizar um "acordo" com a TV RBA, de Belém, que tem Barbalho como sócio. A assessoria do senador informou que ele vai processar o advogado, o casal Serafim Rodrigues de Morais e Vera Arantes Campos, que também fariam parte do esquema de chantagem, bem como a revista IstoÉ que, segundo Barbalho, "acolheu levianamente uma chantagem, uma farsa e uma patifaria, aproveitando essa onda denuncista com o interesse de prejudicar homens públicos". No ofício que Barbalho vai enviar ao procurador-geral da República, ele afirma que o advogado Gildo Ferraz atua numa ação de investigação de paternidade, cumulada com ação de alimentos e petição de herança, de uma pretensa herdeira do falecido Jair Bernardino de Souza, que está em curso na 9ª Vara Cível de Belém. E, segundo Barbalho, entre os bens objeto da mencionada ação está a TV RBA. No ofício, Barbalho diz, também, que Gildo Ferraz tem feito ameaças e, "não logrando alcançar seu intento, recorre ao procedimento de gravações telefônicas ardilosamente engendradas entre ele e seus clientes, procurando denegrir e envolver em manobras espúrias a figura do presidente do Senado". "Como presidente do Senado Federal, repilo a nojenta manobra e me nego a sujeitar-me a qualquer chantagem", afirma Barbalho. Além da revista IstoÉ, ele solicita que o inquérito policial e a ação penal atinjam também o advogado Gildo Ferraz e o casal Serafim Rodrigues de Morais e Vera Arantes Campos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.