Jader "medita" sobre processo no Conselho de Ética

O senador Jader Barbalho (PMDB-PA) disse, em entrevista coletiva, que ainda está "meditando" sobre se enfrentará ou não o processo por quebra de decoro parlamentar, caso a abertura seja aprovada amanhã pelo Conselho de Ética. "Tenho que examinar. Vai depender da reunião do Conselho de Ética", afirmou, recusando-se, porém, a fazer comentários sobre a possibilidade de vir a renunciar ao mandato. Em seu depoimento de amanhã no Conselho, Jader pretende "demonstrar que estão montando uma farsa e uma vingança política" contra ele. "Nenhum colega meu tem autoridade para dizer que minha defesa é mentira. Ninguém tem o direito de substituir o Judiciário. Quem são eles para dizer que eu menti?", indagou o senador, ao negar mais uma vez ter sido beneficiado com recursos desviados do Banco do Estado do Pará (Banpará). Segundo o ex-presidente do Senado, não há documento mostrando que ele teria mentido em relação ao Banpará. "É uma grosseria, e eles deveriam ser mais engenhosos", disse, referindo-se aos senadores Romeu Tuma (PFL-SP) e Jefferson Peres (PDT-AM) que elaboraram o documento que recomenda a abertura de processo por quebra de decoro parlamentar. Sem citar nomes, responsabilizou os autores do relatório pela "farsa" montada no Conselho. "Isso é coisa de quem montava inquérito de preso político no Dops", disse, numa alusão ao passado de Tuma.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.