Jader foi sensato, diz Paes de Barros

O segundo secretário do senado, Antero Paes de Barros (PSDB-MT), classificou de sensata a atitude do senador Jader Barbalho (PMDB-PA), que pediu licença por 60 dias da presidência do Senado."Se Jader insistisse em permanecer no cargo iria prejudicar o andamento dos trabalhos na Casa", afirmou o senador.Barros pediu mais agilidade ao Ministério Público e à Justiça Federal para apresentação do relatório com as acusações contra o senador paraense.Como integrante do Conselho de Ética e Decoro Parlamentar do Senado, o senador reiterou que em agosto vai requerer que seja convocado o presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Francisco Gros, para explicar o relatório sobre desvios do Banco do Estado do Pará (Banpará), durante o período em que presidiu o Banco Central."Temos que organizar um roteiro para que outras pessoas também sejam ouvidas, e o senador Jader Barbalho deve ter todo o direito de defesa, conforme prevê o regimento interno e a Constituição Federal", afirmou Barros."Como eu já havia dito, só restava uma alternativa a Jader: chegar à Casa na condição de senador e não como presidente do Senado".Na carta em que pediu licença por um período de 60 dias, o senador Jader Barbalho justifica que o prazo é necessário para apurar as denúncias que o envolvem no desvio de recursos do Banpará e na venda irregular de títulos da dívida agrária.O senador alegou ainda que a sua decisão foi tomada para preservar o nome do Senado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.