Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Jader é acusado por desapropriações superfaturadas na Amazônia

O presidente licenciado do Senado, Jader Barbalho (PMDB-PA), vai ser alvo de mais uma denúncia. A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Câmara que apura a grilagem de terras na Amazônia, vai pedir o indiciamento dele por ter feito desapropriações irregulares e superfaturadas de terras no período em que foi ministro da Reforma Agrária, entre 1987 e 1988.O relatório final da CPI, que será divulgado nesta sexta-feira, mostra que Jader foi responsável por aproximadamente 75% das emissões de Títulos da Dívida Agrária (TDAs) na época em que esteve à frente do ministério. Segundo o relatório, a maioria das desapropriações, muitas delas irregulares, ocorreram quando Jader era ministro."Não se trata de um caso ou outro, onde porventura, tenha ocorrido alguma irregularidade, a qual pudesse ter fugido ao conhecimento do ministro e de seus assessores mais diretos. São quase todos casos marcados por profundas e graves irregularidades e quase sempre as mesmas", diz o relatório feito pelo deputado Sérgio Carvalho (PSDB-RO).Carvalho enumera diversos casos ocorridos durante a administração do senador. Entre eles, desapropriação de áreas impróprias para reforma agrária, terras suspeitas de terem sido griladas ou que tiveram seus registros adulterados e a falta de amparo técnico que justificasse as desapropriações, visto que muitos pareceres técnicos do Incra eram contrários à desapropriação.Segundo o deputado, no período em que Jader era ministro muitas vezes os valores pagos pelas desapropriações eram em desacordo com os pareceres técnicos. "Pagos sempre em quantias acima do estipulado pelos pareceres", afirma Carvalho em seu relatório, acrescentando que "pagamentos eram muitas vezes feitos antes do prazo devido ou em tempo recorde".Jader será indiciado por causa da desapropriação da Vila Amazônia, em Parintins (AM), área supervalorizada. Neste caso, também aparece o ex-deputado Antônio César Pinho Brasil, na época assessor direto do então ministro, de quem continua sendo amigo até hoje.Pinho Brasil foi condenado a 6 anos de prisão por envolvimento na desapropriação da fazenda Paraíso, em Viseu (PA), cujo processo foi irregular. Jader está respondendo a inquérito policial justamente por ser acusado de envolvimento com as venda de TDAs da propriedade."Foram detectadas pela CPI graves irregularidades quanto a desapropriação da Vila Amazônia, sendo que uma delas foi o superfaturamento do valor inicial sugerido pelo Incra", diz o relator da CPI.Segundo ele, o valor autorizado por Jader, na época, foi cerca de 50 vezes maior que o original. "Na área indenizada aos dois proprietários, já existiam mais de 800 outros donos que possuíam títulos definitivo das propriedades", acrescenta Carvalho.No relatório, que será votado até o final do mês, a CPI mostra diversas semelhanças entre as transações feitas na época, já conhecidas e somente para favorecer interesses de proprietários de terras. Os TDAs, segundo o documento, foram resgatados em quatro anos, enquanto poderiam ter sido num período de 20 anos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.