Jader diz que nova acusação é "absurda"

O presidente do Senado, Jader Barbalho (PMDB-PA), tachou de "absurdo e estúpido" o envolvimento de seu nome na derrubada de mais de dois mil hectares de floresta no município de Anapu (PA), na região da Transamazônica, para a implantação de projetos da Sudam. O nome do senador, segundo colonos da região, expulsos à força de suas terras, foi usado por empresários que queriam as áreas para plantar pupunha, açaí, cupuaçu e cacau. "Era só o que faltava eu aqui, em Brasília, no Senado, ser responsabilizado por desmatamento em Anapu. Não tenho nada a ver com isso", afirmou Jader.Ele disse que não tinha como comentar uma denúncia desse tipo. "Há alguma representação formalizada contra mim?", questionou. Se não há, respondeu, então não há o que dizer. O fato de esses empresários serem supostamente ligados ou terem financiado campanhas políticas do PMDB nos municípios da Transamazônica, enfatizou o senador, não quer dizer que ele, Jader, seja responsável por fatos que fogem ao seu conhecimento. "Se estuprarem ou cometerem genocídio naquela região, qual é a relação razoável, de bom senso, que eu posso ter com isso?"Jader disse andar cansado de ler na imprensa, quando pretendem vinculá-lo a irregularidades na Sudam, que tem reduto político em Altamira. "Sendo senador pelo Pará, o meu reduto é o Estado inteiro".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.