Jader dispensa defesas no caso Sudam

O presidente do Senado, Jader Barbalho (PMDB-PA), declara-se ?confortável?no episódio das denúncias de corrupção na Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia (Sudam) e dispensa a defesa doministro da Integração Regional, Fernando Bezerra (PMDB).Ao mesmo tempo, porém, dirigentes do PMDB solidários com Jaderacusam uma ?campanha orquestrada? para desmoralizar não só o presidente do partido como toda a atual cúpula dirigente eameaça arrastar governo e aliados para a CPI da corrupção.?Querem me transformar no grande pecador deste País, mas não preciso da defesa de ninguém, porque os fatos falam por sisó e nada há de concreto contra mim?, diz Jader.?Se é para ficar com o carimbo de todas as mazelas do País, não vejo outrasaída fora da CPI?, emenda um cardeal peemedebista, referindo-se à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) ampla para apurarcorrupção no País, que o governo tanto se esforçou para evitar.Jader dispensa defesas com o argumento de que foram nove meses de investigações e 369 diálogos gravados sem quenenhuma denúncia contra ele fosse registrada. ?Não conseguiram pôr meia frase a meu respeito?, salienta o senador.Ele reagecom desdém aos questionamentos sobre suas ligações com o empresário Geraldo Pinto da Silva, acusado de dirigir uma firmaespecializada em abrir empresas e forjar projetos para a Sudam. ?Se o homem diz que não me conhece, considero qualquerespeculação de um ridículo imenso, porque não tenho nada a ver com isto?.O dirigente do PMDB não admite ver Jader ser tratado como ?alvo fácil? em meio a uma?orquestração? extremamente prejudicial à imagem do partido. ?Resolveram pintar o PMDB como bloco dos sujos, mas bailebom, animado, é com muita gente?, ameaça o cardeal.Ao mesmo tempo, Jader desafia os partidos de oposição não só a instalar a CPI da Sudam como a pôr para funcionar oinquérito das obras inacabadas. ?Podem fazer todas as CPIs que quiserem, porque, até aqui, tudo o que conseguiram provar foique a minha única culpa é ter dirigentes indicados por mim na Sudam, como se eu fosse o único político que fizesseindicações neste País?.Mais do que isto, ele cobra uma acusação concreta, com o argumento de que, até nos regimesanti-democráticos e na inquisição, as pessoas iam para a fogueira sabendo concretamente de que eram acusadas.Ele ainda atribui a ?campanha? ao senador Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA) por conta da briga em torno da sucessão doSenado, mas não cita seu nome. ?Fui à presidência do Senado não por decisão minha, mas pela vontade da maioria da Casa enão será pela campanha de um menino descontente com o resultado, que a maioria será desrespeitada?.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.