Jader cobra investigação sobre TDAs

O presidente do Senado, Jader Barbalho (PMDB-PA), disse que solicitou hoje ao diretor-geral do Departamento de Polícia Federal, Agílio Monteiro, rapidez nas investigações sobre o suposto envolvimento de Barbalho na venda ilegal de títulos da dívida agrária, conforme denúncia feita pela revista IstoÉ. Ele espera que a Polícia Federal faça o rastreamento do cheque ( equivalente a US$ 4 milhões) que, de acordo com a acusação, Jader teria recebido do empresário Vicente de Paula Pedrosa, pela venda dos títulos. Amanhã, Jader deverá prestar depoimento à Polícia Federal sobre as acusações que, segundo ele, têm como objetivo chantagear e atingir a figura do presidente do Senado. Ele destacou que não se sente constrangido pelo fato de depor. "Tenho direito de ser ouvido pela PF. Constrangedor é estar envolvido numa miséria, numa vagabundagem desta", reagiu, irritado, em entrevista coletiva. Indagado se seria a "bola da vez", depois da renúncia dos ex-senadores Antonio Carlos Magalhães e José Roberto Arruda, afirmou: ?Acho tudo isso ridículo e de um enorme primarismo político". Embora tenha pedido pressa nas apurações, Jader Barbalho disse que o caso não requer instalação de CPI nem abertura de investigação interna no Senado. "Estamos diante de um caso de polícia", afirmou. À pergunta se estaria disposto a deixar o comando do Senado enquanto prosseguem as investigações, Jader Barbalho respondeu, indignado: " De palhaçada eu não trato". O presidente do Senado negou que tivesse se encontrado com Pedrosa para receber o cheque num hotel de São Paulo. "Não me recordo", respondeu. Ele entende que, "se houver boa vontade" da Polícia Federal, o caso será esclarecido o mais breve possível. "Se houver boa vontade, toda essa canalhice será esclarecida. Quero que o episódio seja esclarecido na maior amplitude e não quero que haja nenhuma dúvida sobre isso", emendou, acrescentando que, apesar da denúncia, não vê motivo para assinar o requerimento da CPI da Corrupção.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.