Jader Barbalho é preso em Belém

Agentes da Polícia Federal do Pará e de Brasília, cumprindo decisão da Justiça Federal do Tocantins, prenderam hoje em Belém o ex-senador Jader Barbalho (PMDB-PA), os ex-superintendentes da extinta Sudam, José Artur Guedes Tourinho e Maurício Barreira Vasconcelos, o empresário Geraldo Pinto da Silva, o GPS, e a contadora Maria Auxiliadora Barra Martins, todos acusados de envolvimento nas fraudes do Fundo de Investimentos da Amazônia (Finam). O mandado de prisão preventiva foi expedido pelo juiz da 2ª Vara Federal de Palmas, Alderico Santos.O delegado Luiz Fernando Ayres, da PF de Brasília, foi quem deu voz de prisão aos cinco, depois de ficar toda a madrugada de plantão com seus agentes em frente ao apartamento de Jader. Ás 7h, o ex-senador abriu a porta do apartamento para tomar ciência do mandado de prisão. Já informado de que seria preso ainda no final da tarde de ontem por um de seus advogados, o ex-juiz federal Edson Messias de Almeida, o ex-senador estava pronto para embarcar com destino a Palmas.Às 10h30, um avião particular, que seria de um amigo de Jader, levantou vôo com o ex-senador, que foi acompanhado de sua assessora Maria Eugênia Rios e do delegado Luiz Fernando Ayres. Contra Jader existiria também um outro mandado de prisão, da Justiça Federal de Brasília, por envolvimento nas fraudes com Títulos da Dívida Agrária (TDAs), durante o período em que o ex-senador foi ministro da Reforma Agrária, em 1987.Os advogados Angela Sales, Edson Messias e Sábato Rosseti ingressaram hoje pela manhã no Tribunal Regional Federal da 1ª Região, em Brasília, com um pedido de habeas-corpus para tentar soltar Jader. Eles dizem que a prisão foi feita por um delegado que não presidiu o inquérito contra o ex-senador, acrescentando que os fundamentos da prisão preventiva não se enquadram no caso de Jader, que possui residência fixa e não está obstruindo a Justiça.O decreto de prisão contra Jader também é válido para outros 26 envolvidos no desvio de recursos da Sudam, como os pecuaristas Délio Fernandes e José Soares Sobrinho, de Altamira, que foram presos hoje pela manhã naquela cidade do sudoeste paraense. Outros empresários da região estão sendo procurados e devem ser presos nas próximas horas por nove agentes da PF de Brasília. Alguns, cientes da presença da PF naquela cidade, teriam fugido. O procurador da República em Santarém, Felício Pontes Júnior, denunciou à Justiça os empresários Danny Gutzeit e sua mulher, Luciana Gutzeit Affonso, além da contadora Maria Auxiliadora Barra Martins, acusados de desviar R$ 1,6 milhão liberados pela Sudam para a empresa Propamar, de Altamira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.