Jader acusa deputado de quebrar decoro

O presidente licenciado do Senado, JaderBarbalho (PMDB-PA), defendeu ontem em Belém a abertura pela Câmara dosDeputados de "exaustiva investigação" para apurar o envolvimento dodeputado Paudeney Avelino (PFL-AM) na falsa conversa gravada em que seunome aparece como suposto interessado na cobrança de R$ 5 milhões parafavorecer o empresário amazonense David Benayon com verba da extinta Sudam."Este sim, é um caso de quebra de decoro parlamentar", disse Jader,anunciando que está tomando providências contra o deputado.O senador classificou o episódio da fita montada como "mais umacalúnia desmoralizada pelos fatos", afirmando que as demais acusações, comoas de desvio de recursos do Banpará para suas contas nos bancos Itaú eCitibank, também seguem o mesmo caminho. "Quero ver com que cara ficarão osmeus caluniadores quando tudo estiver definitivamente esclarecido na Justiça".Sem citar nomes, mas contundente em suas críticas à imprensapara uma platéia de 1.200 lojistas que lotavam o centro de convenções doHilton Hotel no encerramento de um congresso, Jader se disse vítima dereportagens "tendenciosas e mal apuradas", atribuindo-as aos "banqueiros eelites econômicas", que não teriam engolido o fato de um político nortistachegar à presidência do Senado.Ao microfone, Jader fez uma brincadeira de mau gosto logo quecomeçou a falar. Ele anunciou que o empresário Luiz Paniago, seu amigo,havia acabado de morrer. Pediu um minuto de silêncio, mas passados algunssegundos explicou que aquilo era uma mentira. "Fiz isso, me desculpem, para provar como uma mentira é capazde mudar completamente a trajetória de vida ou de exemplo de qualquerpessoa. É assim que estão tentando fazer comigo". E logo em seguidaacrescentou: "graças a Deus que o Paniago está vivo e tomando uma gelada".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.