Jader acompanhava conta pessoalmente, diz gerente

O ex-gerente do Banco Itaú Getúlio Mota Neto confirmou hoje, em depoimento ao delegado aposentado da polícia federal (PF), Paulo Lacerda, que o senador Jader Barbalho (PMDB-PA) acompanhava pessoalmente sua conta corrente na agência Jardim Botânico, no Rio. O senador tinha aplicações, principalmente em certificados de depósito bancário (CBD). Mota, que atuou na agência no período de 1977 a 1986, disse a Lacerda, assessor do senador Romeu Tuma (PFL-SP) - coordenador da comissão do Conselho de Ética encarregada de investigar Jader - não recordar por que alguns resíduos resultantes da composição de aplicações foram depositados na conta corrente do senador. Além disso, ressaltou não lembrar a razão de cheques administrativos nominais ao Banpará terem sido compensados na agência Jardim Botânico do Banco Itaú. Segundo informou o senador Romeu Tuma, Getúlio Mota afirmou também que nunca recebeu "nenhum diretor do Banpará objetivando a realização de qualquer tipo de transação financeira naquela agência". No depoimento, o ex-gerente do Banco Itaú disse ainda que as operações ocorridas na conta de Jader Barbalho, "pelo modo que era movimentada", o levou a concluir que "eram feitas com recursos do próprio correntista", e que desconhecia qualquer movimentação bancária na agência em relação a pessoas ligadas ao então governador do Pará, como sua ex-mulher Elcione Barbalho, além do jornal Diário do Pará.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.