Izar quer agilizar cassação dos envolvidos com sanguessugas

O presidente do Conselho de Ética da Câmara, Ricardo Izar (PTB-SP), quer adiantar os processos de cassação dos deputados que serão acusados pela CPI que apura a fraude na compra de ambulâncias com recursos do Orçamento. Assim que a CPI enviar os nomes dos acusados de suposto envolvimento no esquema, Izar já indicará os relatores e dará o prazo de cinco sessões para os acusados apresentarem sua defesa.Prevendo um grande número de acusados, Izar encaminhou uma consulta aos especialistas jurídicos da Câmara para saber se poderá indicar um conselheiro para mais de um processo, convocar relatores de fora do colegiado ou aumentar o número de integrantes do conselho.O colegiado tem 15 titulares e 15 suplentes, mas o presidente não relata processos. Izar está se prevenindo para o caso de a lista da CPI constar mais do que 29 acusados. Ele estima que a lista da CPI tenha em torno de 40 nomes.Izar afirmou que o conselho tem condições de concluir alguns dos processos até o final do ano. Para contribuir com a rapidez, Izar quer que o depoimento de testemunha sirva para os vários processos. Isso diminuiria o número de pessoas a serem ouvidas nos processos."Uma testemunha pode servir para vários casos", afirmou. Izar disse, depois de se reunir com o presidente da Câmara, Aldo Rebelo (PCdoB-SP), que o relatório da CPI das Sanguessugas será encaminhado ao conselho assim que chegarem à Mesa da Casa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.