Divulgação
Divulgação

Ivan Valente acusa deputados de receberem para apoiar cadastro positivo e Maia reage

Maia, que é favorável ao projeto, se irritou com a acusação e pediu que ele apresentasse provas à Corregedoria da Câmara

Isadora Peron, O Estado de S.Paulo

26 de abril de 2018 | 00h51

BRASÍLIA - O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), se envolveu em um bate-boca no plenário por conta do projeto que altera o cadastro positivo.

Contrário à proposta, o deputado Ivan Valente (PSOL-SP) afirmou que a Casa estava tomada por lobistas e que parlamentares estavam “levando dinheiro” para apoiar a medida.

Maia, que é favorável ao projeto, se irritou com a acusação e pediu que ele apresentasse provas à Corregedoria da Câmara. “Diga os nomes, diga os nomes. Quero que o corregedor venha aqui e tire o depoimento dele (Ivan Valente), não vai ficar agredindo a Casa desse jeito”, disse.

+ Maia encerra sessão sem votar cadastro positivo

Após as declarações de Maia, o deputado do PSOL voltou a se manifestar: “Não vai me intimidar, não vai me intimidar”.

Tentando colocar panos quentes, o presidente da Câmara afirmou que tinha “o maior respeito pelo PSOL”, mas que a acusação era grave e precisava ser provada.

+ Maia ameaça cortar salário de deputados que estão em obstrução desde a prisão de Lula

O novo cadastro positivo é uma das principais bandeiras defendidas pelo Banco Central na área de crédito, mas não deve ser votado nesta quarta-feira. Técnicos do BC e do Ministério da Fazenda passaram o dia no plenário da Câmara para discutir e esclarecer pontos do projeto. 

+ Por Lula, deputados quase trocam tapas no plenário  

Hoje, o cadastro é formado apenas por consumidores que solicitam a inclusão no banco de dados – o que, na prática, torna o cadastro irrelevante para análise de crédito. Com o novo projeto, a inclusão no cadastro será automática, sendo que o consumidor que quiser sair terá que solicitar a exclusão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.