Itamaraty pedirá rastreamento de contas de Maluf

O governo suíço deverá receber, nos próximos dias, um pedido oficial do Brasil para que Berna inicie investigações sobre o ex-prefeito de são Paulo, Paulo Maluf. Fontes do Itamaraty revelaram ao Estado que o Brasil deverá encaminhar uma carta à capital suíça solicitando cooperação judiciária para descobrir a origem, rota e destino dos ativos que Maluf manteve no país entre 1985 e 1997. A carta solicitando a cooperação terá que ser acompanhada por documentos que acusem o ex-prefeito de corrupção. Segundo a lei suíça, Caso a acusação seja de evasão fiscal, a Suíça não investigará o caso. O governo suíço também já deixou claro que, caso os documentos não cumpram os requisitos locais, a cooperação poderá ser recusada, pelo menos até que o Brasil envie as informações necessárias. Com o pedido e os documentos, o governo da Suíça encaminhará o processo ao procurador Jean Louis Crochet, em Genebra. Crochet já possui um dossiê com informações preliminares sobre o caso Maluf, inclusive com os documentos bancários e os movimentos das contas de suas empresas "Blue Diamond" e "Red Ruby", mantidas na agência do Citibank em Genebra. O procurador, porém, se recusa a comentar o conteúdo das informações. "Crochet não tem nada a dizer à imprensa brasileira", insiste sua assessoria. O que não é segredo para ninguém em Genebra é que Maluf teria sido um dos clientes mais importantes do Citibank da cidade, fazendo parte de um grupo de pessoas que possui um tratamento especial por parte dos gerentes do banco.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.