Itamaraty não se manifesta sobre condenação de Saddam

O Itamaraty preferiu não se manifestar sobre a condenação do ex-ditador do Iraque Saddam Hussein à morte por enforcamento, neste domingo. A decisão foi tomada no sábado, mesmo sem saber da sentença, durante a participação do ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, na XVI Cúpula Ibero-americana, realizada em Montevidéu, no Uruguai.Neste domingo, Amorim deve receber informes mais detalhados da embaixada do Brasil no Iraque, temporariamente sediada em Amã, na Jordânia, e decidir se haverá ou não um posicionamento público do governo brasileiro.Em princípio, o Itamaraty não se manifesta em decisões como essa, ou seja, do veredicto de um tribunal nacional - não internacional - de um ex-presidente. Qualquer posicionamento poderia ser interpretado como ingerência do País em questões internas de outra Nação e feriria, portanto, um dos princípios da diplomacia brasileira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.