Itamaraty evita polêmica sobre críticas de antiamericanismo

As críticas à política externa brasileira e ao ministro Celso Amorim feitas pelo ex-embaixador Roberto Abdenur na revista Veja deste final de semana e endossadas pelo ex-ministro Celso Lafer sobre o antiamericanismo na diplomacia estão incomodando o Itamaraty. A orientação é evitar polemizar e provocar novas repercussões. Oficialmente, o Itamaraty não vai comentar as declarações de Lafer, um desafeto de Amorim, mas assessores próximos do ministro consideraram descabidas as afirmações. Apesar do incômodo com a polêmica, os diplomatas insistem em dizer que não há uma crise no setor e preferem que o assunto caia no esquecimento, embora temam que outras declarações, na mesma linha, possam surgir.Ao lamentar a crítica de Lafer, um diplomata ligado ao ministro comentou que um dos livros indicados é justamente a biografia do patrono da carreira, Ruy Barbosa, e questiona se isso é prova de ideologia ou doutrina. "Se fosse um livro dele, Lafer, indicado para leitura, certamente ele estaria satisfeito", ironizou a fonte.Só que a própria obrigatoriedade de leitura desta biografia é motivo de descontentamento entre diplomatas não tão próximos a Amorim.Para rebater os ataques de que há uma política antiamericanista, pessoas ligadas ao ministro citam as ligações que existem entre os dois países. Lembram, por exemplo, que nesta quarta-feira, estarão em Brasília dois representantes do Departamento de Estado, com diversas reuniões marcadas, todas da maior importância, para ampliar o relacionamento entre os dois países.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.