Itamaraty descentraliza área comercial

O ministro das Relações Exteriores, Celso Lafer, disse nesta segunda-feira que pretende inaugurar uma gestão mais horizontal no Itamaraty com a descentralização do comando das negociaçõesinternacionais do Brasil na área comercial.Segundo ele, a tradição da diplomacia brasileira é ter um comando vertical, mas oexcesso de compromissos atuais do País com os demais mercados exigiu que a mudança fosse feita.?Temos de criar um pool de conhecimentos, porque na era da diplomacia global é preciso trabalhar de forma horizontal?, disse.Nesta segunda-feira, durante a posse dos embaixadores Bernando Pericás e Luiz Augusto Araújo de Castro nas subsecretarias que irãocuidar de assuntos políticos bilaterais e multilaterais, o ministro confirmou as alterações na área comercial, conforme adiantou oEstado no domingo.Com a mudança, as negociações da Alca e na OMC continuam sob o comando do embaixador José Alfredo Graça Lima, mas aagenda externa do Mercosul, como o processo de associação do bloco com a União Européia e com os países andinos, serãosupervisionadas pelo secretário-geral do Itamaraty, Luiz Felipe de Seixas Corrêa, que passa a atuar mais na área econômica.Com as mudanças, segundo afirmou Lafer, as ações internas e externas do Mercosul vão ficar mais coordenadas e será maisfácil manter o compromisso inicial do bloco, de ser uma união aduaneira.O Mercosul vem sofrendo pressões do ministro da Economia da Argentina, Domingo Cavallo, para recuar no processo deintegração e tornar-se apenas uma área de livre comércio.?O Mercosul está mais complicado hoje em dia, por causa da crisedos países, mas as negociações do bloco com outros mercados vai criar a necessidade de consolidar o Mercosul, que é nossoprincipal projeto?, afirmou Lafer.Ao mesmo tempo que dividiu o comando das negociações internacionais da área comercial, Lafer anunciou que iráparticipar pessoalmente de cada uma das discussões multilaterias do País.?Essa coordenação quem fará sou eu, quem precisater a dimensão negociadora é o ministro?, afirmou.Segundo ele, sua preocupação é ter uma estrutura que leve em conta asnecessidades do Estado e não apenas do governo, porque a agenda externa do Brasil está sendo acelerada e será permanente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.