Itamaraty critica operação para barrar brasileiros na UE

Ao manifestar sua indignação contra a operação "Amazon 2", o governo brasileiro advertiu a Comissão Européia de que o País acolheu milhões de europeus em seu território, no século passado. A iniciativa foi montada para impedir o ingresso de cidadãos sul-americanos - considerados como potenciais imigrantes irregulares por Bruxelas - em oito aeroportos da Europa ao longo de um mês. Segundo o Itamaraty, a operação atingiu 412 cidadãos brasileiros que, em sua maioria, não puderam comprovar meios de subsistência na Europa ou apresentar a documentação exigida pelas autoridades migratórias. Eles foram deportados.A missão do Brasil em Bruxelas apresentou à Comissão Européia uma nota na qual reiterou a "inquietação" do governo brasileiro com o "possível caráter repressivo e discriminatório" da operação, concluída no último dia 9. O texto também reafirmou a oposição do País a medidas migratórias como a que foi organizada e executada pela Agência de Controle de Fronteiras Externas da União Européia (Frontex) nos aeroportos do continente.De acordo com o Itamaraty, as embaixadas e os consulados do Brasil na Europa prestaram assistência aos brasileiros vitimados pela operação do Frontex. Também cobraram das autoridades dos países onde a operação foi executada o direito de livre circulação de brasileiros e o reparo a violações dos direitos humanos que se deram no período.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.