Itamar pode voltar ao PMDB para enfraquecer Jáder

O vice-governador de Minas, Newton Cardoso (PMDB), deu hoje como praticamente certo o retorno do governador Itamar Franco ao partido, do qual ele se desligou em dezembro de 1999. Newton foi homenageado em um jantar em Brasília, na terça-feira, do qual participaram ministros e liderançaspeemedebistas, entre elas o atual presidente da Câmara, Michel Temer (PMDB-SP). Ovice aproveitou o evento para costurar o reingresso de Itamar no PMDB e a idéia deque ele possa ser o candidato do partido na próxima eleição presidencial.Segundo ele, o governador autorizou-o a iniciar os entendimentos, dos quais poderianascer a candidatura de Itamar à Presidência da República. A filiação de Itamaraconteceria depois do Carnaval. "Houve total boa vontade e uma aceitação unânime paraa volta do governador ao PMDB", disse o vice, referindo-se às conversas com a cúpulapeemdebista. "Eu já tinha discutido com Itamar a necessidade de que ele entrasse emum partido grande e o PMDB é a sua primeira casa", acrescentou.Newton lembrou ainda que, caso Itamar entre de novo no PMDB, não deverá enfrentarobstáculos a uma eventual candidatura ao Palácio do Planalto. Para ele, o senadorPedro Simon (PMDB-RS), um dos mais cotados, no momento, para uma eventual cabeça dechapa peemedebista, não relutaria em abrir mão dos seus planos em favor do governadormineiro. "O Simon é grande amigo do Itamar, foi seu ministro, e não haveria porquehaver disputa entre os dois", disse.BarbalhoO governador mineiro não quis, hoje, comentar as declarações de seu vice.Nos bastidores do Palácio da Liberdade, no entanto, uma das explicações para aatitude de Newton, embora pouco convincente, é a de que ele e Itamar estariam fazendoum simples "balão de enasaio". O objetivo seria tentar enfraquecer, com a notícia deum possível retorno do governador ao PMDB, a candidatura do senador Jáder Barbalho(PMDB-PA) à presidência do Senado.Itamar considera inimigos mortais Barbalho e outros peemedebistas, ligados à direçãonacional do partido, desde a "humilhação" sofrida na famosa convenção do PMDB de maiode 1998, na qual viu frustrados seus planos de candidatar-se à Presidência. Itamarqueria ser o candidato, mas recebeu até vaias de colegas de legenda, que optaram porapoiar a reeleição de Fernando Henrique.Divulgando a idéia de voltar ao PMDB, e ainda na condição de forte concorrente àsucessão de Fernando Henrique, o governador poderia prejudicar a eleição de Barbalhono Congresso, vingando-se de seu desafeto. Isso seria feito pela mobilização, contrao paraense, de um grande números de senadores do partido.CostaO presidente do PMDB mineiro, Armando Costa, negou ontem que Itamar Francopossa ser convidado a reingressar no partido. O dirigente, que foi secretário deSaúde de Itamar e, sob denúncias de irregularidades na pasta, deixou o cargoqueixando-se de ter sido traído pelo governador, procurou minimizar as declarações deNewton Cardoso. Segundo Costa, "Newton discute as coisas da cabeça dele", já que aExecutiva Estadual sequer foi consultada sobre um possível retorno do governador.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.